quarta-feira, 21 de maio de 2014

Contato


Não espere o ultimo momento para abraçar aquilo que realmente importa.


Foi Chaplin quem disse: As melhores e as mais lindas coisas do mundo não se pode ver nem tocar, elas devem ser sentidas com o coração.
Quanto disso podemos absorver?
Quanto disso é verdadeiramente possível?

O ser humano é carente por contato, ver, pegar, sentir. 

Sabemos que o amor e a contato real não abraçam o que é belo, mas o que justamente com esse abraço se torna belo - ser supostamente verdadeiro.
Compreendemos então que tudo que você pensa e sofre automaticamente se dissolve dentro do contato .
Sorrir não mata, viver não dói, abraçar não arde, beijar não fere, rir não machuca.

Sou do abraço fácil e apertado, do riso frouxo, do beijo demorado, dos olhares abertos. Onde afinal é o melhor lugar do mundo? 
Meu palpite: dentro de um abraço.

Existe algo em um simples abraço que sempre aquece o coração e dá-nos boas vindas ao voltarmos para casa e torna mais fácil a partida.
Um abraço é uma forma de dividir as alegrias e tristezas que passamos, ou só uma forma para amigos dizerem que se gostam porque simplesmente, você é você.

Abraços significam amor para alguém com quem realmente nos importamos ou passamos a conhecer melhor.
Um abraço é algo espantoso, é a forma perfeita de mostrar o que sentimos, mas que palavras não podem dizer.
É engraçado como um simples abraço faz-nos sentir bem...em qualquer lugar ou língua...
É sempre compreendido; e abraços não precisam de grandes gestos...
É só abrir os braços e os corações...


Conseguimos deixar fluir a energia, o amor, sensações, agonias, incríveis desníveis se desfazem. Através do contato, estabelecemos uma forma simples e pura de troca.

Muitas vezes valorizar o próprio isolamento e abraçar a solidão é encontrar paz e fortalecer-se na alma. Pois estar rodeado de pessoas envolvidas com o barulho do mundo pode ser a pior ilusão que faz distanciar-se de si mesmo.
No silêncio abraçamos tantas ideias e ideais...
Porém através do contato encurtamos a distância entre as palavras, enriquecemos laços, desfrutamos o desconhecido sentimento da intimidade, compreendemos o acaso, afirmamos a segurança; dissolvemos a saudade e sem dúvida aprendemos mais que ensinamos.

Às vezes, quando dizemos 'estou bem' é a hora em que realizamos que mais precisamos de uma pessoa para nos abraçar e dizer 'eu sei que você não está'...e com isso tirar de nós aquele peso incondicional que carregamos ao guardarmos tudo para nós.

Através do contato deixamos de ser tão prudentes com nossas verdades pré estabelecidas e abrimos não apenas o pensamento, mas libertamos algumas convicções. O simples pode ser mesmo a melhor resposta; ja pensou nisso?
Dentro de toda verdade, esta a frase de Drummond que nos faz compreender: Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados...difícil é sentir a energia que é transmitida, aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.
Talvez por isso estamos vendo mais abraços por ai e certamente mais silêncio entre as pessoas.
As pessoas estão se encontrando...

Essa liberdade sem pressa em se aproximar e tentar transformar o mundo a sua volta; colorir outros sentidos, levar uma palavra de certeza, dar as mãos como um meio de respostas, gerar a felicidade através dos sentidos.
Quem foi que disse que precisamos ser distantes para sermos melhores?

O contato nos faz ser ao invés de apenas existir em meio ao caos de olhares evasivos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu registro...