quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

O que deixamos para trás...


Vai, segue seu caminho sem olhar pra trás, deixe os erros no passado, mas aprenda a não carrega-los para o futuro.

Eu não deixo ninguém para trás, algumas pessoas é que me perdem um pouco a cada dia e nem percebem…e se for para perder ou seguir em frente...sempre...não importa o que for ou por simples e puro abandono, que seja pelo real e completo sentido de ser.

Aquele que sufoca e limita os passos ao longo do tempo.

Se você deseja viajar longe e rápido, viaje leve. Deixe pra trás todas as suas invejas, ciúmes, incapacidade de perdoar, egoísmo e medos.
Se você tem a coragem de deixar para trás tudo que lhe é familiar e confortável e embarcar numa jornada em busca da verdade... e se você tem mesmo a vontade de considerar tudo que acontece nessa jornada como uma pista; se você aceitar cada um
que encontrar no caminho como um professor; se estiver preparado e acima de tudo de frente para encarar (e perdoar) algumas realidades bem difíceis sobre você... então a verdade será colocada no seu horizonte.

E quantas viagens nós planejamos não é mesmo?
Quantas andanças por ai; queremos nos colocar em um percurso, direto e o mais curto possível; adoramos as respostas e os mapas claros com seus traços finitos.
Outras vezes nos perdemos nas imensas linhas do tempo; deixamos para trás lembranças ou lamentos; grandes ou pequenas recordações de uma morada temporária a qual fizemos parte. 
Nos sentimos bem ao concluirmos algo ou apenas então, dando adeus para aqueles que certamente não veremos outra vez, por pura e completa falta de afinidade ou tamanha que chega a confundir o rumo.
Levamos na lembrança a singela e doce verdade do que valorizamos para nossa vida.

Certas pessoas e suas histórias, suas e de mais ninguém…

Deixamos para trás aquilo que nem sempre possui uma explicação, apenas porque precisamos compreender a balança entre que é certo e errado.
Pesamos as medidas de nossa própria existência?…por que não?…

Amizades, paixões, amores…
Ainda que tenhamos compartilhado memórias, risadas e boas conversas; a vida espelha o que a compreensão e a verdade reflete; independente de tempo, espaço e pessoas.
Antes de virar e dar adeus, procure deixar um pouco de si e mesmo que toda despedida seja dolorosa por ser um pedaço da vida que deixamos pra trás perdendo a chance de vive-la; vale a pena experimentar certos sentidos desconhecidos por essa andança…e saber que sua contribuição fez valer a pena para muitas pessoas ao longo do caminho.

Procure sempre olhar à sua frente para não tropeçar em sua caminhada pois as pegadas deixadas para trás só servirão para aqueles que desejarem seguir os seus passos.
Algo é muito certo: quem parte sempre deixa pra trás muito mais do que leva em sua bagagem pois as pessoas podem esquecer o que você fez, o que você disse, mas nunca esquecerão o que você as fez sentir.

Inspirações, aspirações, desejos e impulsos.

E para darmos um passo a frente é preciso deixar algo para trás. Alguns deixam o medo, outros o enfrentam. Aos poucos compreendemos que quando olhamos para trás e enxergamos que mais da metade dos sonhos a gente simplesmente esquece, constatamos que o deixamos para trás porque eles de alguma forma pararam de fazer sentido.

Nunca gostei de despedidas…deixar para trás quem é importante para mim, nunca foi o meu forte…e continua não sendo. Eu gosto de quem vem e fica, de quem pode até ir, mas volta; de quem me rouba sorrisos sinceros e faz questão de devolvê-los ainda mais belos. 
Gosto de quem me abraça e não me solta antes que eu peça, gosto da permanência, da certeza… Do que tão pouco hoje em dia existe: O eterno, o para sempre, o sem fim.

Talvez por isso eu tenha andado muito e até hoje continuo deixando ao longo do percurso um rastro bom e contínuo chamado existência, ela vem e nunca para.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Das conquistas de cada ser...


Sonhos determinam o que você quer..ação determina o que você conquista.

Certa vez sentada em um parque lendo meus artigos em busca de inspiração, me peguei ouvindo dois senhores que ao lado conversavam sobre a conquista humana…  E sem querer, naquela mesma tarde fiquei pensando sobre como somos influenciados por cada parte de nossos sonhos e quando dei por mim entrei em uma discussão interna sobre a verdade e uma possível confirmação de valores e constante procura pelo real…Seria a conquista nossa maior realização pessoal? 

Esse sentimento de dúvida sobre a fé humana; estamos sempre buscando ou nos apoiando em algo que nos sustente ou que pelo menos nos sirva de apoio moral / emocional por algum tempo, ou tempo suficiente por uma vida.
Quem pode estimar o quanto é o muito para cada um?
Acreditar e nos espelhar; mas são as portas internas onde residem a real e infinita morada do conhecimento humano.Um homem pode ser e ter tudo o que ele quiser, desde que para isso arque com o peso de suas escolhas e valores.

Somos o que somos devido a sentimentos que construimos ao longo da nossa vida. 
Está ai uma promessa de boas conquistas internas.

Cultivamos aquilo que plantamos e com nossas sementes, provemos o mundo ao nosso redor.
Preservamos sentimentos de culpa como uma forma de apaziguar a dor que causamos como um exemplo para nós e isso não só prejudica nossa alma, como nos faz imperfeitos para este mundo. 

Crescemos para uma vida a qual não somos preparados e por isso somos tão questionadores com ela e com os sentimentos a que somos expostos. Nunca teremos respostas e isso é um fato.
Precisamos alimentar nosso espírito com atitudes…diárias.
Possuímos o incrível dom de nos sobressairmos e com nossas conquistas descobrimos o mundo.
Uma vez que nos exposmos ao desconhecido, nossas portas se abrem e se tornam uma fonte inesgotável de surpresas enriquecedoras.

Parte de toda conquista é seguida por uma série de inspirações e por elas somos capturados; então somamos não somente expectativas em cada etapa do processo, como também adicionamos milhares de sentimentos ímpares e singulares.

E tão unicamente Drummond disse: "A conquista é algo que faz tanta poeira, que por medo da bagunça, preferimos normalmente, optar pela arrumação."

As conquistas são fáceis de fazer, porque as fazemos com toda nossa vontade; são difíceis de conservar, porque as defendemos só com uma parte das nossas forças.
Com isso precisamos encontrar o equilíbrio através das tentativas que fazemos e compreender que para toda ação existe mesmo uma reaçãoque pulsa sempre a nosso favor, basta que para isso você se abra para as oportunidades ao redor.

Muitas vezes então, as conquistas se tornam subjetivas dentro de cada um; pois ao descobrirmos o real valor de cada desejo interno concluímos que a conquista é parte de um processo e não o seu fim.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Das incoerências da vida...


Tempo é o senhor da verdade e o demolidor de toda incoerência.

É tão natural destruir o que não se pode possuir, negar o que não se compreende, insultar o que se inveja; por isso mesmo quando os fatos são claros deixamos o espanto tomar conta e apenas olhamos para frente acreditando que mudamos não somente a direção de nossa vida,mas também influenciamos aos que nos rodeiam.
É mais ou menos assim:
Será que basta apenas um pequeno gesto para guardamos na memória as lembranças
daqueles que souberam nos conquistar?


Está aí uma pergunta que nos faz ir além do que realmente tem peso na vida; saber o que é ou não é para sempre.

A incompreensão nos torna subjetivos na maioria das vezes, mas a incoerência nos faz ser subjetivos..com tudo e todos. 

A julgar pelas nossas decisões, deixamos que os atos impensados se tornem reais na maioria do tempo; e convenhamos que o tempo nos prega inúmeras peças no decorrer de cada falha que tomamos, ou, nos tornamos.
Concluímos com o imediato e refletimos com o pesar.

A incoerência faz com que nós nos tornemos indecisos, faz com que nossas escolhas não sejam diretas só por não ter sentido, ou por ter duplo sentido, ou porque queremos descobrir o sentido daquele sentido, ou por ser só mais uma questão a ser tomada sem relevância, que não tenha mérito de ser julgada.
Afinal: Tem sempre alguém para defender com todas as forças as suas idéias e claramente se apegar a qualquer inconstância de suas dúvidas.

Ao invés de porquês, busque felicidade; para que motivos afinal?. Busque amores, mesmo que doa; quem ama sente medo, mas não se pergunte sobre o medo; apenas o viva. Viva intensamente da melhor forma e a mais correta. Cada um tem sua definição de bom e ruim.. gosto não é discutível; o seu “correto” não será obrigatoriamente o meu.
Deixe a indiferença de lado pois todos nós somos capazes das mesmas coisas, só faça por merecer, o esforço é a base do sucesso. 

Humildade... ter consciência que para sermos excelentes, devemos nos igualar aos que já estão mais avançados nesse processo de melhoria e jamais julgar ou desmerecer os que ainda estão começando.

O processo será sempre difícil e apesar de todo auxílio (ou não), sua verdade jamais prevalecerá.

E você? Você é a soma do seu passado mais a sua circunstância. Equivale com o que se fez anteriormente mais as suas conseqüências. Sobretudo sabemos quem somos; nosso ego afirma, mas dizer o porque no momento em que temos que o fazer, não só se exprime o que se sente como o que se sente se transforma lentamente no que é dito. O “eu” é a auto-avaliação que fazemos e para o nosso crescimento precisamos acima de tudo aceitar com vigor as ideias que são postas e aceitar que nos julguem. 

Permissão, é esta a palavra.

Tudo é uma questão de compreender ou não o que você encontra e se enfrenta por aí. O seu poder de julgamento será sempre um pesar maior para você mesmo e compreender esses limites fazem com que sua maneira de enfrentar os dias se tornem ímpares; você estaciona o seu próprio jeito de se cobrar diante de ideias e ideais.
Fuja de demagogias; elas absorvem um tempo precioso e ocupam o espaço onde bons frutos podem sempre surgir.
Com isso eu só posso reafirmar: incoerências servem de espelhos, reflete uma imagem e destorce a essência.

A incoerência alheia é um dardo certeiro nas certezas e vontades

Finalizo aqui com uma citação de Oscar Wilde; que mesmo antiga, produz um pesar  infinitamente grande nos dias de hoje: 
Viver é a coisa mais rara do mundo, a maioria das pessoas apenas existe.