quarta-feira, 24 de julho de 2013

Adoração




"Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugna-la-íamos, se a tivéssemos. O perfeito é desumano, porque o humano é imperfeito".
Fernando Pessoa

De alguma forma, fomos feitos para seguir em frente mesmo sem a ideia de que a perfeição ainda está longe de ser compreendida e ao contrário do que pensamos, nos misturamos com o resto de sentimentos para viver nesse caos e contemplar essa total desarmonia que vivemos.

É fato que nós adoramos as coisas simples porque elas são o último refúgio de um espírito complexo. Eis aqui essa maior relatividade entre o amar e o adorar.

Amamos o belo e adoramos a sua intensidade, amamos os sinais e adoramos os seus incontáveis significados, nos entregamos ao amor e adoramos a sua capacidade de nos transformar. Essa balança sutil e extremamente presente que apreciamos desvendar através de palavras e gestos. Nos inclinamos aos significados, mas pendemos sempre para o lado racional de cada situação.
Ainda sim, com todos os prós e contras, adoramos as teorias. 

Nós precisamos viver nossa adoração através da ação. E com tudo isso, mesmo sob todas as possíveis e plausíveis explicações, nos perdemos...em nós mesmos.
Nos justificamos por vezes em que o silêncio deve imperar; adoramos o caos ao invés das soluções emergenciais. Não suportamos a rotina e o amor que lhe é empregado.

Cada parte de mim vai em direções diferentes e com isso meu rumo é apenas contemplar o inesperado. Se assim for, adoro tudo aquilo que me possibilita.
Todo esse intenso distinguir que no fim apenas deixamos passar; vivemos o momento por acreditar que nele residem todas as respostas.
Nos acostumamos demais ao que nos faz bem e deixamos seguir em frente com total e completa adoração; afinal nada é impossível para um coração repleto de vontade.

Uma vez me falaram que o adorar representa um sentimento completo, que nele reside a intensidade e a razão onde o amor perde as forças. Um poder absoluto e completo dentro de nós; temos por dentro um caminho longo a percorrer e talvez...talvez consigamos decifrar essa total e absoluta incoerência em sempre aceitar ao invés de nos entregarmos a esta preciosa percepção.

Adorar e não apenas amar o momento.

Buscamos aquilo que não existe explicação, a atenção de quem admiramos e a adoração de quem amamos. Fato!
Mas algo nisso tudo é completa e verdadeiramente esmagador: Adoração não é só musica: tem a ver com a nossa atitude diária.

Adoro as coisas simples, elas são o último refúgio de um expírito complexo...e completamente entregue para a vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu registro...