sexta-feira, 31 de maio de 2013

A Distância



Alguém ja te disse que a distância é apenas um passo para a rendição pessoal?
Essa é a mais avassaladora das verdades inventadas...
Dizem o que devemos fazer, mas ninguém compreende a extensão do que queremos ou devemos agradar...nos pedem tudo....menos que voltemos para onde nem sequer gostaríamos de ter saído.

Um lado, apenas e simplesmente isso.
Afinal; não medimos o afastamento e nem de longe o que ela causa dentro de cada um...constatamos que a distância entre duas pessoas não se mede, nem em metros, nem em quilômetros mas em palavras.


Enxergamos palavras onde o silêncio impera.
Existe então aquilo que chamamos de suspiros da mente; onde encurtamos o tempo/espaço entre as pessoas e a vida que se segue fora de nós.

Somos nós quem determinamos a distância e jamais estaremos longe se estivermos próximo ao coração..em uma sintonia real e sempre constante.
E sempre, mais sempre: A distância limita a visão, mas não impede o sentimento.
Para alguns ela permite uma falsa cegueira, que nubla os sentidos e comprimi os passos que se tonam mais e mais espaçados.

Perdemos o elo.

Cada um lida de forma e contexto diferente as dores de sua distância.
Pessoalmente acredito que possuímos o doce fruto da imaginação em se tratando de expressarmos essa sublime ilusão que pulsa dentro de nós.
Criamos visões...um deserto que sem dúvida atravessamos sem questionar.

De fato o que mais almejamos é encurtar essa sensação que nos adormece, sentimos falta de tudo um pouco ou muito daquilo que esteve ao nosso lado.
Razões e sentimentos que guardamos ou esprememos dentro de nós...como um nó firme e difícil de desatar.
São docas mansas, trilhando luzes que brilham longe...longe nos breus.

Quem pensa que a distância faz esquecer, esquece que a saudade faz lembrar.
E por isso concluímos que não existem passos longos ou caminhos curtos quando o que importa é a direção que damos aos nossos pensamentos e sentimentos.
Andamos para direções que não compreendemos, talvez seja essa a nossa missão: aprender...inerente a nossa visão.

O que separa corações não é a distância é a indiferença...

terça-feira, 28 de maio de 2013

Lágrimas



Deve existir algo extranhamente sagrado no sal: está em nossas lágrimas e no mar...
e talvez more aí nossa verdadeira redenção..sentimentos e razões misturados a uma partícula infinita de água, que verte.

E ela cai produzindo um som interno; nos desperta, nos fragiliza e nos fortalece em questão de segundos, o que sabemos é que no fim somos seu próprio som intenso e que mesmo não sendo possível chorar e pensar ao mesmo tempo, nós a absorvemos.
Existe aí uma força muito especial capaz de derreter o gelo e aquecer milhares de  corações.

Uma resposta interna da divina natureza de nós mesmos.

Chorar é lindo, pois cada lágrima na face são palavras ditas de um sentimento calado.
Pessoas que mais amamos, são as que mais magoamos porque queremos que sejam perfeitas e esquecemos que são apenas seres humanos...como nós.
Erramos ao pensar que todos são iguais...
Nunca diga que esqueceu alguém, ou um amor, diga apenas que consegue falar neles sem chorar, porque qualquer amor por mais simples que seja, será sempre inesquecível.


As lágrimas não doem...O que dói são os motivos que as fazem cair.Não desacredite, mas certifique-se de estar entregando seu coração e seus momentospara alguém que dê valor aos mesmos sentimentos que você dá, manifeste suas ideias e planos e certifique-se de que quando estão juntos aquele abraço possa valer mais que qualquer palavra.


Não nos envergonhemos de sua queda, elas representam um interior que se abre para a vida.
Uma coisa é certa e inegável: choramos lágrimas de rir e quando choramos pra valer não derramamos uma lágrima. Amamos mais do que podemos e, por medo, sempre menos do que somos capazes.

Amor, ódio, saudade, frustração, felicidade, tristeza, descobertas, incertezas...e mais, o seu mais.

Mas existem frases que nos fazem pensar...."Jamais desconsidere a maravilha das suas lágrimas. Elas podem ser águas curativas e uma fonte de alegria. Algumas vezes são as melhores palavras que o coração pode falar - A Cabana Willian P. Young.
Será esta a incrível relação entre o sabor e a razão que tanto observamos quando sentimos nossa visão turva?

Somos prova disso em infinitos momentos onde as portas interiores insistem em permanecer abertas ou então fechadas por um período muito longo.
O sal e a água é mesmo um milagre interno... é para aceitarmos o que não tem explicação, não se surpreenda...

Isto é um dom.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Visões



...Visão sem ação é sonho. Ação sem visão é pesadelo....

Uma vez me falaram: Se você enxerga mais longe,é por estar de pé sobre ombros de gigantes...e talvez seja exatamente isso.
Um fato é certo: Existem muitos caminhos para o topo da montanha, mas apenas uma visão.
Caminhamos perto demais através de uma busca sem parâmetros, desejamos estar no alto, mas esquecemos que para chegar lá precisamos ultrapassar curvas estreitas e cheias de impasses...pessoais.

Realmente o mundo deveria ser feito de gigantes...eles nos levariam para o alto com apenas um empurrão, mas fatalmente chegaríamos lá e nos sentiríamos perdidos; o que nos impulsiona são as experiências que construímos, elas nos enchem de vida e isso é inegavelmente importante quando desenvolvemos uma visão clara sobre nós mesmos.

Crescimento, vivência, experiência.

E como é boa a sensação de caminhar com passos largos e seguros; nós administramos não somente a própria vontade, mas guardamos o que nos fortalece no caminho...tropeçando ou apenas nos desviando de possíveis rotas de fuga.
Correr jamais será uma opção...válida.
Seus olhos revelam a visão para este mundo, sua voz traduz o seu silêncio profundo e 
seu sorriso reflete a razão de viver.


Aceite e se abrace em cada esquina do caminho.Se sua visão for para um ano semeie ideias, se sua visão for para dez anos plante razões...Se sua visão for para a vida inteira...faça amigos e compartilhe sua vida com eles..pois estes serão seus braços e pernas em momentos que o ar lhe faltar.
O amigo é a resposta aos teus desejos. Mas não o procure para matar o tempo, procure-o sempre para as horas vivas...ele deve preencher a tua necessidade, mas não o teu vazio.

Não olhe para trás, cruze olhares laterais.
Mas acima de qualquer relutância olhe para dentro; para bem dentro de você e faça
dali o seu lugar de descanso, conforto e recomposição.
Crie este universo agradável para si.


Carrego comigo esta citação de Carl Jung, que diz muito...

" Sua visão se tornará clara apenas quando
você puder olhar dentro de seu coração.
Quem olha para fora sonha, quem olha
para dentro acorda."

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Amigos




Penso mesmo que amigos são a família que nosso coração escolhe.
A gente não faz amigos, reconhece-os...

É um proceso tão sutil que chega a ser natural quando encontramos afinidades em olhares e palavras desconhecidas, que passamos a prestar atenção ao que nos é tão familiar, sem ao menos compreender o porque paramos...o fato é que quando paramos para escutar, nos envolvemos.

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. 

A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos.

Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências ...
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.
Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles...Eles não iriam acreditar.
Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não
declare e não os procure.

E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto
pela vida.

Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.
Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer ...
Se um deles morrer, eu ficarei torta para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!

Compreendi que viver é ser livre, que ter amigos é necessário, que lutar é manter-se vivo, que pra ser feliz basta querer.
Aprendi que o tempo cura,que magoa passa,que decepção não mata,que hoje é reflexo de ontem.
Compreendi que podemos chorar sem derramar lagrimas,que os verdadeiros amigos permanecem, que dor fortalece, que vencer engrandece.
Aprendi que sonhar não é fantasiar, que para sorrir tem que fazer alguém sorrir,que a beleza não está no que vemos e sim no que sentimos, que o valor está na força da conquista.
Compreendi que as palavras tem força, que fazer é melhor que falar,que o olhar não mente, que viver é aprender com os erros, aprendi que tudo depende da vontade,que o melhor é sermos nós mesmos… 

Mas com certeza aprendi que na vida o que importa é se abrir para vida e as boas surpresas que ela nos traz ao encontrarmos alguns bons desconhecidos pelo caminho.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Encantos





...Que a importância de uma coisa não se mede com fita métrica nem com balanças nem barômetros. 
Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós...


Nos encantamos, seja por um simples sorriso que recebemos ou apenas por constatar que estamos sentados de frente para a vida que nos acolhe todos os dias.
É assim mesmo quando prendemos o ar tentando imaginar nossa sintonia com o que recebemos e doamos.

Será que todo encantamento tem sua cota de delírio?  
Talvez a magia do tempo se aproxime de sua relatividade..ele é dotado por uma breve e intensa brasa de confusão. 
Temos que nos atentar entre o vão por sobre o encantamento e a desilusão... ele é barulhento e indiscreto e produz um efeito audível na alma.

Mas ainda sim...nos entregamos com um impulso..de braços largos e abertos. 
Somos uma consequência inevitável de perdas e ganhos, nos deixamos guiar pelos olhares enfeitiçados de magia, repleta e grandiosamente aconchegante que nos recebe e nos faz continuar com esse movimento unilateral chamado descoberta.

E como nos descobrimos em múltiplas faces..
Encontramos jeitos e maneiras de driblar o que julgamos...
Brotamos como flores, o que salta aos olhos e nos faz desacatar qualquer ordem e lugar...

Assim são os encantos maravilhosos desta terra sem limite.

Temos que seguir em frente, pois a vida é pra valer e qualquer que seja essa insuficiência que carregamos como em um balanço, ainda sim, a felicidade é como uma gota de orvalho em uma pétala de flor que brilha tranquila e depois de leve..oscila e cai como uma lágrima...e por ser tão deliciada..devemos trata-a muito bem.

Delicadezas de todas as cores, formas e tamanhos.
Revelemos sentidos as pessoas, nos permitimos aos encantos que chegam em nossa porta interior...deixamos ela entrar e não sabemos como fecha-la depois de um breve e tempestuoso temporal. 
As gotas se espalham e criam fontes inesgotáveis de histórias, nossas e de mais ninguém; e por isso são tão particularmente acolhedoras.

Fato é que a vontade é um impulso cego, escuro e vigoroso..sem justiça nem sentido. 

Devemos encontrar um equilíbrio, pois nessa balança de sentimentos que vivemos: 
Andar pra trás... Só se for pra pegar impulso!!





sexta-feira, 3 de maio de 2013

Raízes


Dê a quem você ama: asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar....

Onde estamos é exatamente o lugar que nosso coração se sente bem, mas nem sempre é fácil seguir este impulso que pulsa; vivemos indo contra nossa natureza, muitas vezes duvidamos que um instinto maior ainda é o que guia nosso instinto de preservação pessoal..ele nos frea e nos faz enxergar que somos não somente um ser humano, mas criaturas sempre em busca.


Possuímos um espírito livre, mantemos nossa mente aberta para as surpresas da vida, mas no final não sabemos como parar esse trem ao qual embarcamos.

Tentamos de verdade encontrar razões para novos destinos, mas voltamos sempre ao ponto de partida e acenamos para o que ficou para trás.
Somos como raízes...sabemos ao que pertencemos.

E como a visão do novo é encantador...inspirador.
Ele desperta sentidos, aguça direções, liberta sorrisos permanentes, olhares curiosos...nos abrimos para um mundo completamente novo, seja ele completamente esperado...ou até sem nenhum sentido de ser.
Existimos no momento em que subimos novos degraus e deixamos para trás tudo aquilo que deixou de fazer um sentido literal.

Somos abraçados para uma nova vida e nossas raízes se aprofundam cada dia mais...

E nada como um recomeço pessoal para resgatar o que deixamos para trás, trazer de volta os sentidos que foram espalhados em uma grande tempestade...que soube exatamente como e onde cair para reavivar tais raízes .
Tudo tem uma razão de ser...fatos e contextos que farão parte eterna de nossa história.

Pertencemos a nós mesmos...

Precisamos das raízes: existe um lugar no mundo onde nascemos, aprendemos uma língua, descobrimos como nossos antepassados superavam seus problemas. Em um dado momento, passamos a ser responsáveis por este lugar.
Precisamos das asas. Elas nos mostram os horizontes sem fim da imaginação, nos levam até nossos sonhos, nos conduzem a lugares distantes. São as asas que nos permitem conhecer as raízes de nossos semelhantes, e aprender com eles.

Bendito quem tem asas e raízes; e pobre de quem tem apenas um dos dois.


Deixaremos sempre nossas pegadas pelo caminho, mas ainda é uma decisão entre subir ou não nesse trem que hora ou outra passa pela nossa vida.
Podemos mesmo ficar, mas qual a graça em percorrer sempre os mesmos trilhos?
Estamos em constante descoberta...afinal:

A liberdade é uma planta que cresce depressa, quando ganha raízes.