quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

O recomeço



A simplicidade do acaso pode se tornar uma fugaz resposta a nossa expectativa diante da vida, sim...diga-se de passagem que andamos em direção contrária algumas vezes, mas seguimos em frente sem olharmos para trás.

Percorremos um longo percurso até aqui, não é?


Medimos nossos passos como quem escolhe uma roupa certa, nos olhamos no espelho procurando encontrar uma imagem muito mais acertiva..dizemos para nós mesmos com uma credulidade infinita...tudo há de ficar bem.



Não importa onde você parou…em que momento da vida você cansou…
O que importa é que sempre é possível e necessário “Recomeçar”.
Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo…
É renovar as esperanças na vida e o mais importante…
Acreditar em você de novo.
Sofreu muito nesse período?
foi aprendizado…
Chorou muito?..foi limpeza da alma…
Ficou com raiva das pessoas?
Foi para perdoá-las um dia…
Sentiu-se só por diversas vezes?
É porque fechaste a porta até para os anjos…
Acreditou que tudo estava perdido?..era o início da tua melhora…
Pois é…agora é hora de reiniciar…de pensar na luz…de encontrar prazer nas coisas simples de novo.
Que tal um corte de cabelo arrojado…diferente?
Um novo curso…ou aquele velho desejo de aprender a pintar…desenhar…dominar o computador…
Ou qualquer outra coisa…
Olha quanto desafio…quanta coisa nova nesse mundão te
esperando.
Tá se sentindo sozinho?
besteira…tem tanta gente que você afastou com o seu “período de isolamento”…Tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu para “chegar” perto de você.
Quando nos trancamos na tristeza…nem nós mesmos nos suportamos…
Ficamos horríveis…o mal humor vai comendo nosso fígado…até a boca fica amarga.
Recomeçar…hoje é um bom dia para começar novos desafios.
Onde você quer chegar? ir alto…sonhe alto… queira o melhor do melhor… queira coisas boas para a vida… pensando assim trazemos prá nós aquilo que desejamos… se pensamos pequeno…coisas pequenas teremos…
Já se desejarmos fortemente o melhor e principalmente lutarmos pelo melhor…
o melhor vai se instalar na nossa vida.

E é hoje o dia da faxina mental…
joga fora tudo que te prende ao passado… ao mundinho de coisas tristes…fotos…peças de roupa, papel de bala…ingressos de cinema, bilhetes de viagens… e toda aquela tranqueira que guardamos quando nos julgamos apaixonados… jogue tudo fora… mas principalmente… esvazie seu coração… fique pronto para a vida… para um novo amor… Lembre-se somos apaixonáveis… somos sempre capazes de amar muitas e muitas vezes… afinal de contas… Nós somos o “Amor”…

” Porque sou do tamanho daquilo que vejo, e não do
tamanho da minha altura."

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Pegadas



Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência.
Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.
(Lao-Tsé)


Andamos muito, nos apressamos demais.

A certeza de que não possuimos controle da vida se manifesta de diferentes formas e contextos; e quando frear nos evidencia sermos insconstantemente impossibilitados... mais humanos do que máquinas aceleradas, brecamos diante do tempo, frente ao vazio que atravessamos correndo.

Passos largos ou até mesmo pegadas irregulares.

Nos comportamos como loucos, olhamos para todos as direções buscando alternativas,estapafúrdias e infundadas razões que nos mantenha no caminho, uma rota ocasionalmente confortável. Seguimos o restrito sinal verde, aquele que colocamos na rota superficial de nossas vidas.

Andar descalço nem pensar?, escolhas pessoais.
Pisamos com força, dominamos o território que construímos ao nosso redor, subimos muros diante de emoções, desperdiçamos a razão simplesmente por julga-la dona de nossa visão.
Continuar desviando ainda é a melhor maneira de cegarmos as oportunidades que encontramos no caminho.

Porém, tudo tem um limite de ser.
E quando olhamos para frente e visualizamos a análise que fazemos de nosso comportamento, tão estupidamente calculado é que compreendemos a necessidade de sermos menos analíticos com os nossos sentimentos e condutas diante da vida, ela nos arrebata quando estamos um instante vulnerável...nos breca e nos faz contar as pegadas que construímos e aquelas que subitamente desviamos de nossa direção.

Começa-se então a saborear os riscos, enxergar entre as frestas que lutamos em cegar; afinal a saga de um homem encontra-se justamente nisso: contemplar.
Se tudo possui um movimento central, constatamos que uma hora voltamos ao centro de tudo e reiniciamos nossos passos de maneira mais leve, o ciclo volta a girar de maneira mais compassada, não pisamos, flutuamos.
E assim reinventamos o caminho, transformamos experiências em uma renovada jornada:
Andar e correr se tornam sabores impares para a vida, um toque sutil, mas incrivelmente arrebatador: transformar marcas em passos e passos em pegadas.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O mundo



Limitemos os sonhos...eles rondam demais a realidade.
Se o mundo é paralelo a nossas escolhas, precisamos saber conduzir nossas opções e seguir em frente, seja para qual direção for.

Paramos demais frente a inúmeras vontades, queremos... quando o devemos deve ser de fato a única vertente a que permanecemos invariavelmente jogados.
Fala-se muito em administrar tempo e pouco em negociar com ele....

Calar-se nunca foi uma saída para as mentes viajantes, mas assim como as palavras tem poder, as atitudes tem peso. Pois então cria-se um mundo paralelo, aquele em que os mudos conseguem gritar para todos os cantos. Lá está o bom e velho dejavu, aquele que invariavelmente surge nos momentos de desapego.

Toda essa sutileza que nos faz perceber, é a mesma que nos ensina quando preencher se torna a única saída pertinente que encontramos por entre os caminhos que traçamos.
Somos um monte de soluções esquecidas, tempo é mesmo uma raridade nos dias de hoje.
Nada mais importa se não o eu guardado a sete chaves.
E quando pensamos que nada mais poderia dar errado, eis que surgem as surpresas e seus incontestáveis cenários.

Aprender, compreender, aceitar .
Verbos inconsistentes, porém uniformes. Essa maioria, mesmo que em uma imensidão vazia, conduz, impulsiona, até mesmo imerge frente a rotina diária que devemos permanecer conectados. Lá se vai a chance, permanece o bom senso.
Real...inclino-me a acreditar.

"A minha consciência tem milhares de vozes e cada voz traz-me milhares de histórias;e cada história sou o vilão condenado".
Willian Shakespeare

domingo, 9 de dezembro de 2012

A graça da vida



A cada dia percebo o quanto empregamos energia em pequenos acontecimentos...e esquecemos de nos aquecer sobre os grandes saltos da vida.
A graça está em sermos menos egoístas com nós mesmos, contemplarmos pequenos atos e nos afastarmos da tristeza....colocando-a em um lado pouco "frequentado" por nós mesmos. Tal garantia nos assegura de nos debruçarmos sobre os momentos de fraqueza, onde as lágrimas são respostas aos apelos que insistimos em prolongar.
Devemos deixar de ser hipócritas...a hipocrisia alimenta o ego e nos afasta de nossa essência.

Pequenos gestos fazem uma grande diferença...afinal...
Recebemos a vida de presente e devemos absorve-la por inteiro.

Ninguém sabe ao certo qual o propósito em sermos tão ambivalentes, mas essa inconstância é o que alimenta nossos instintos. Primitivamente ainda caminhamos ao contrário...ok...mas mesmo assim, evoluímos com nossos pensamentos e atos alheios a nossa vontade.
Devemos rir mais, chorar mais, caminhar mais, respirar com mais fervor.
Suspiros garantem que nossos sinais vitais permaneçam em alerta, deixando-nos com um sentimento contínuo de saudade.

E como é bom sentir saudades...

A graça da vida consiste em sermos nós mesmos...singularmente falando. Com nossa inquietude e alegria por cada descobrimento diário, esteja você na flor da idade ou apenas redesenhando seus passos.
Continue fazendo amigos...eles são um elo com o divino, desperte mais cedo e contemple os segundo preciosos...descanse o corpo e não o espírito.

Lembre-se: Você é aquilo que veio destinado a ser: ÚNICO.

Perdoe-me, mas cito Veríssimo:
"O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos.
A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença".


Fica aqui meu suspiro...:

Dez Coisas que Levei Anos Para Aprender.

1. Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom, não pode ser uma boa pessoa.

2. As pessoas que querem compartilhar as visões religiosas delas com você, quase nunca querem que você compartilhe as suas com elas.

3. Ninguém liga se você não sabe dançar. Levante e dance.

4. A força mais destrutiva do universo é a fofoca.

5. Não confunda nunca sua carreira com sua vida.

6. Jamais, sob quaisquer circunstâncias, tome um remédio para dormir e um laxante na mesma noite.

7. Se você tivesse que identificar, em uma palavra, a razão pela qual a raça humana ainda não atingiu (e nunca atingirá) todo o seu potencial, essa palavra seria "reuniões".

8. Há uma linha muito tênue entre "hobby" e "doença mental".

9. Seus amigos de verdade amam você de qualquer jeito.

10. Nunca tenha medo de tentar algo novo. Lembre-se de que um amador solitário construiu a Arca. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

A viagem dentro de nós




A viagem não acaba nunca, só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. 

Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:
“Não há mais o que ver”, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. 

É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. 
É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. 
É preciso recomeçar a viagem. 

Sempre.


domingo, 18 de novembro de 2012

Momentos...por Clarice



Há momentos na vida em que sentimos tanto
a falta de alguém que o que mais queremos
é tirar esta pessoa de nossos sonhos
e abraçá-la.

Sonhe com aquilo que você quiser.
Seja o que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que se quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes
não têm as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor
das oportunidades que aparecem
em seus caminhos.

A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam.
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem
a importância das pessoas que passam por suas vidas.

O futuro mais brilhante
é baseado num passado intensamente vivido.
Você só terá sucesso na vida
quando perdoar os erros
e as decepções do passado.

A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar
duram uma eternidade.
A vida não é de se brincar
porque um belo dia se morre.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

O hoje...o agora





Nunca foi tão verdadeira essa sensação próxima entre o céu e a terra.
Essa total razão que sutilmente chamo de sintonia...nada melancólico, apenas pura e simplesmente o acaso, descrevendo que somos parte de um mistério acumulado, em uma breve brisa.

...que silenciosamente se aproxima, mas ignoramos por não compreendermos o tempo como um aliado a tormentas internas.
Existem coincidências que nos servem de alertas, outras que nos ensinam a sermos mais intensos para com nossas próprias vontades. 

Existe uma linha tênue entre o céu e a terra que nos mantém firmes com nossos propósitos, talvez exista mais que isso, mas cada passo ao seu tempo.

Por muito tempo, eu pensei que a minha vida fosse se tornar uma vida de verdade.
Mas sempre havia um obstáculo no caminho, algo a ser ultrapassado antes de começar a viver, um trabalho não terminado, uma conta a ser paga. aí sim, a vida de verdade começaria. 
Por fim, cheguei à conclusão de que esses obstáculos eram a minha vida de verdade. 

Essa perspectiva tem me ajudado a ver que não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho! Assim, aproveite todos os momentos que você tem. E aproveite-os mais se você tem alguém especial para compartilhar, especial o suficiente para passar seu tempo; e lembre-se que o tempo não espera ninguém. 

Portanto, pare de esperar até que você termine a faculdade; até que você volte para a faculdade; até que você perca 5 kg; até que você ganhe 5 kg; até que seus filhos tenham saído de casa; até que você se case; até que você se divorcie; até sexta à noite até segunda de manhã; até que você tenha comprado um carro ou uma casa nova; até que seu carro ou sua casa tenham sido pagos; até o próximo verão, outono, inverno; até que você esteja aposentado; até que a sua música toque; até que você tenha terminado seu drink; até que você esteja sóbrio de novo; até que você morra; e decida que não há hora melhor para ser feliz do que agora mesmo... 

Lembre-se: felicidade é uma viagem, não um destino.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Pessoas



Se refere a seres com auto-consciência; Logo todos os animais, inclusive os seres humanos, são pessoas.


Nós cruzamos milhares, se não centenas de pessoas e nem sequer nos damos conta do quanto podemos nos surpreender pela frente.
Absolutamente nada igual e todo mundo junto ao mesmo tempo...assim pontuo essa exclamação de seres que dia após dia se fazem presentes nesta singularidade adquirida.
Puxa vida, quanta vida.

Mas diante de todo este potencial, existe um ser que radicalmente exposto se manifesta de forma pluralista em todo segundo deste caos atemporal: eu.
E não é que é isso mesmo?

O ser pelo ser: onde há pessoas, há possibilidades infinitas de conhecimento.
Compartilhar muito mais do que apenas adquirir.
Simples assim?, creio que não, mas esta é a beleza da incerteza; justamente a descoberta em cada etapa do caminho; elas se tornam ímpares.

Olhares, gestos, hábitos, esquisitices, costumes...uma mistura de comportamentos inusitados.
Pessoas e não seres, uma justificada cláusula da existência.
É preciso uma dose extra de calma para compreendermos nosso vinculo a um único contexto neste mundo: verdade, muito mais que antes e certamente menos que amanhã.

Precisamos ser reais, imediatos e consistentes.
Celebremos a nós como um todo.

A minha preocupação não está em ser coerente com as minhas afirmações anteriores sobre determinado assunto, mas em ser coerente com a verdade.

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Darwinismo ou realidade?



É tão fácil e confortável ficarmos imunes a nós mesmos; permanecemos seguros em um falso alicerce e a força interior torna-se subjetiva, egoísta: uma zona sem parâmetros.
Ficamos parados...adormecidos e lentamente acomodados.
Nos apoiamos em nossa frágil sensibilidade, contemplamos a distância: firmes e constantes.

Não devemos esquecer: " A força que vem de dentro é maior que todos os ventos contrários".

Essa força que nos projeta, surge quando menos esperamos.
Ela sempre esteve lá, mas por infinitos limites, torna-se imune a nossa aspiração.
Tal conclusão chega quando solucionamos problemas e questionamentos pessoais de forma inesperada.

E por que será que demoramos mais do que necessitamos para aprender?
Vivemos através de impulsos e isso impede a visão sobre nós mesmos; olhamos mais do que observamos, escutamos mais do que deveríamos ouvir...e assim segue essa pluralidade caótica que no fim se transforma em espécies...não mais em humanos.

O impulso: resposta da alma ou apenas coincidência da vontade?

Temos uma dupla visão sobre essa possibilidade: Razão e emoção.
A razão alimenta o nosso ego, enquanto a emoção satisfaz o interior; por isso é importante sabermos distinguir a verdade e o contexto entre estes dois pólos.
" Dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo".

E como explicar o desejo da união destes dois elos?
Evolução e coesão creio eu. Uma parceria importante para o start de uma nova geração, a qual somente colherá frutos daqui a muito tempo.
Não se trata apenas de necessidade, mas de compreender como pôr em prática as lições que tanto tentamos ensinar, mas poucos de fato se dispôem a aprender.

Ser melhor do ontem e com certeza menos que amanhã.

"Se você aceitar que as características humanas são variáveis, que essa variação é hereditária, e que há uma luta pela existência, então a evolução pela seleção natural prosseguirá." 


 

terça-feira, 17 de abril de 2012

Borboletas na janela





O tempo segue e continuamos a esperar um sinal, um tênue lampejo claro ao amanhecer. 


Abrimos nossa mente em busca de um pouco de tranquilidade, uma vida mais simples ou até mesmo caminhar um pouco mais para não permanecermos calados diante da nossa própria incredulidade perante a vida...ou através dela. 


Trocamos passos através da solidão, escuto o silêncio como uma forma de contemplar pensamentos guardados, abraço diariamente minha incrédula vontade de compreender que a vida é um simples instante. 
E como é grande a vontade de ficar parada, ou então voltar no tempo e começar a caminhar novamente, seguir novos rumos, calmamente e prazerosamente ao lado daqueles que não estão mais ao nosso redor. 


Existem instantes em que nos permitimos cultivar a melancolia, recordar velhos hábitos, despencarmos diante das coinscidências da vida, mas é assim mesmo, a vida nos prega peças para não despencarmos como uma borboleta sem asa...é preciso caminhar, voar se possível. Mas assim é a vida e sua finita descrição, vivemos esperando mais borboletas na janela. 


Sim, muitas...coloridas, indicando mudanças e contemplativos momentos que ainda estão por vir. Ainda existirão mais choros e risadas..chegadas e partidas. Vocé deve abraçar a vida, pois assim como fazem as borboletas, a vida pede passagem e não estaciona diante de novas possibilidades. 
Quando nos sentimos estagnados..incapazes de nos movimentar, lembremos destas criaturas incríveis...a evolução entra em cena e lhes dá a força necessária para iniciar um novo ciclo. Se preparam para mudanças e progressos, saem de seus casulos para se deparar com um novo mundo em sua nova forma confiando em suas frágeis asas em voo ainda desconhecido. 


Compreender, ser...descrições e verbos não se misturam. Ainda existe muito chão pela frente, a estrada é longa e o tempo é curto...segundos preciosos. Outro tempo começou, para mim é o agora, o ontem tornou-se apenas uma passagem, intensa...mente. 
Para cada borboleta, cada trajeto....eu vou continuar em frente: Auto-transformação, clareza mental, liberdade, renascimento. 


Assim se faz. 

quarta-feira, 11 de abril de 2012

A hora




Vivemos sabotando nosso precioso tempo...

Deixamos de viver por conta da hora que insiste em caminhar devagar, talvez menos do que gostaríamos. Não sabemos colocar a hora no lugar em que ela deve permanecer; sufocamos nossas expectativas, ansiamos em apenas querer ir além e esquecemos que o tempo tem um sentido de existir...ser sempre o senhor da razão.

A hora passa no instante em que deixamos de pensar nela...

Meu pai sempre dizia que o tempo é uma eterna contra mão e ele de fato estava certo sobre esse peso, que o carregamos mas desejamos apenas flutuar sobre.
Essa vontade sublime em desconsiderar segundos, abraçar a calmaria e sentar sobre o frescor do dia.


Brincamos com essa impetuosidade chamada previsão.
Calculamos nosso time, corremos, passamos por cima...sufocamos nossos limites, mas no fundo sempre arrumamos uma desculpa, nem que for para o próprio julgamento.


Temos de ganhar, ou pelo menos acelerar.
Esquecemos a importância que é viver o momento, ter como aliado as horas e preciosos minutos do dia. Coloquemos os conhecimentos em uma balança, vejamos o quanto aprendemos e o quanto fechamos os olhos; para qual lado tal balança penderá?


A calmaria é uma porta aberta para o conhecimento interno; compreendamos o porque da hora passar tão lentamente; essa longa e proveitosa oportunidade de crescimento.
Falam demais em aproveitar a vida por ela ser curta demais...então se torna ambígua essa teoria de acelerarmos tudo a nossa volta, concorda?


Queremos demais ou tudo ao mesmo tempo.


" É importante perceber que o despertar da vida depende de você. libere seu coração e deixe que ele construa seu destino. A felicidade é uma experiência ligada a sabedoria.
Sua vida muda quando você muda.
Deixe as pessoas do passado no passado, a melhor cura do baixo-astral é abrir os olhos para o mundo. Enquanto você acreditar, o medo não vai se instalar.
Para viver intensamente é necessário conviver com os riscos. Por isso acredite sempre, por pior que seja a situação. Não deixe a dúvida tomar conta de você. 


Nosso maior adversário esta dentro de nós.
É preciso entrar para valer nos projetos da vida, até que o rio se transforme em mar.
Alguém já disse que visão é a arte de ver o invisível. Nós é que transformamos a semente em árvore para poder colher os frutos.


A primeira ponte é o sentido da vida, a segunda ponte é a do silêncio, a terceira ponte é a da simplicidade, a quarta é a do sentimento.
Você é a pessoa que escolhe ser.
Um dos segredos é saber criar condições para que a vida dependa de nós. 


Viver é a arte de realizar sonhos."

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Mundo a parte do mundo



É mais ou menos assim:
Você imagina, crias expectativas, planeja, assume um real ponto de vista e executa.
Seguir em frente é uma alternativa..favorável aos ventos que sopram em infinitas direções e você por questões ímpares os acompanha ou permanece imóvel.
E como pronunciam os bons filósofos e suas sábias previsões: "Que bons ventos o levem".


Duvidar pra que?


Chegar do outro lado do mundo é uma dúvida em cada etapa do caminho.
Você sempre espera um caminho de ladrilhos dourados...um eterno sonho sem fim, onde você deposita muito mais que expectativas, você se coloca na posição de frente pra guerra - a sua com você mesmo.


Nada mais impulsivo possível. Completamente ambíguo mas totalmente real na chegada ao novo, diga-se de passagem, um mundo a parte do mundo.
33 anos e o tempo começou a passar mais devagar na costa dourada.


Como bom anfitrião fui recebida com 32 graus e um azul indescritível no céu.

Hey mate..assim segue o cumprimento oficial de boas vindas a nova conterrânea.
Lugar novo, novas amizades, novas descobertas, novas sensações e novos desafios.
Tudo junto ao mesmo tempo; e como as ações tomam proporções gigantescas, começo a prestar atenção a cada etapa desta incrível jornada que se tornou esse segundo episódio da minha vida.

Primeiras impressões - fadada a gratas surpresas.
Tudo, absolutamente tudo, dentro do esperado para o primeiro mês: confusão ao confundir a mão certa para dirigir, comércios fechados após as cinco da tarde, trânsito calmo dividindo espaço ordenado entre ciclistas e senhoras atravessando a rua...mas acima de tudo está a liberdade de ir e vir, pedalar ao pôr do sol, respirar ar puro, beber água da torneira, crianças felizes por toda parte, por toda cidade, em todos os cantos...respira-se esportes transpirando saúde.
Preocupação e medo tornaram-se palavras riscadas do meu cotidiano.

É perceptível a diferença cultural, gestos, olhares, comportamento social,risadas espontâneas. Não estou aqui para resgatar o país onde nasci, estou para agregar onde vivo. 
Todos nós carregamos um pouco do nosso passado; e eu só trouxe boas lembranças, as más deixei para trás no decorrer do caminho...e como foi longo o percurso até aqui.


Mas uma palavra ainda é universal e completamente presente: SAUDADE.
A saudade tomou uma proporção com contextos bem reais.
Relevância máxima para um simples alô do outro lado do mundo.


Estou bem, com o coração leve e boas expectativas do que vem pela frente. Enxergo um futuro cheio de momentos ímpares'; afinal é para isso que eu vim para esta vida.

Hoje posso dizer que estou vivendo já.
O ontem passou e o amanhã ainda é muito cedo.

Planejei muito para chegar até aqui, agora quero um pouco de descanso, pelo menos até
dia 17, data esta do início do meu curso.
Por hora: ForXXXX para brindar este novo recomeço.


Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada.
Clarice Lispector.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Braços abertos



Concordemos...
Devia ser proibido possuirmos egoísmo com a vida.
Disparamos ações e conduzimos erros...resgatamos causas contrárias a nossa vontade, uma persistência chamada "olha eu aqui".
Não é certo abraçarmos o mundo, nem tão pouco saltar para a frente com o peso do mundo nas costas. Assim viveremos curvados, quando ficar de frente é mais que um requisito; peça chave para qualquer entendimento pessoal.
Ganhamos aqui...perdemos ali, assim é a vida quando caminhamos de braços abertos.


Deixo aqui, para esta semana, um poema que amo de Elizabeth Bishop chamado:

Uma arte
A arte de perder não é nenhum mistério, tantas coisas contém em si o acidente de perde-las, que perder não é nada sério.
Aceite austero a chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Depois perca mais rápido, com mais critério: lugares, nomes, a escala subseqüente da viagem não feita. Nada disso é sério.
Perdi o relógio da mamãe. Ah! e nem quero lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Perdi duas cidades lindas. um império que era meu, dois rios e mais um continente.
tenho saudade deles. Mas não é nada sério.
Mesmo perder você (a voz, o ar etéreo, que eu amo) não muda nada.
Pois é evidente que a arte de perder não chega a ser mistério por muito que pareça.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Os incríveis olhos claros




"Procure sempre a tua felicidade", assim dizia meu pai.
Tua, minha, nossa...um pedaço de tudo um pouco.
Essa profundidade de sentimentos e desejos deu origem a um homem que caminhou, enxergou o mundo e deixou um pouco do muito, intenso...um pluralista conchence.
Saiu para o mundo ainda pequeno, voltou maior que seu próprio coração.
Hoje renasço através destes incríveis olhos claros...
Escrever ouvindo palavras, escutar olhando fixo...um ponto infinito de pausas.

Um olhar, mais confortável impossível.
Compenetração era de fato a palavra para aquele que sempre soube transmitir sem omitir a vida.

Uma catarze ambulante sem definições absolutas e restritivas...

Meu pai sempre foi uma presença capaz de transformar as pessoas, esse talento nato de se expressar através da palavra. Tocar, foi mais que um caminho, uma verdade enraizada somada a letras e cifras.

Eu nunca imaginei como seria a vida sem essa referência física...presente; acreditava que o que permanece são Inúmeras peças de um gigantesco quebra cabeças, uma ordem unilateral que nos faz seguir em frente, por vezes olhando para frente, por inúmeras perdida sem direcionarmos nossa própria cabeça.
Santa inocência, erroneo momento.

É fácil permanecer no estado letárgico e adormecer a existência / essência.
Joguei com minha expectativas, busco tranqüilidade.

Existir é algo relativo, estar presente é verdade incondicional.
Assim sempre foi meu pai...o abraço, o beijo, a palavra.
O intransponível vinculo transformou-se em saudosa conversa. Choro por não ter mais toda aquela essência..uma chama de otimismo crédulo.
Convicções a parte, hoje o meu céu tornou-se um livro aberto com infinitas linhas.

O que quero passar com tudo isso é a importância de termos uma relação verdadeira com nossas raízes. Agradecer!
Seguir, continuar..."Na vida o homem não pode deixar de amar e trabalhar nunca"..
Eram mesmo as suas palavras e foi-se assim até a sua partida.
Esses incríveis olhos claros, quanta saudade, quanta distância.
O que ficam são as histórias, os momentos preciosos e a certeza do reencontro.


Agradeço todos os dias por ter sido uma filha tão desejada...amada.
Sem essa segurança e esse apoio, hoje seria apenas uma pessoa comum e não um ser humano com tamanha vontade de continuar feliz.
Honra, palavra de ordem.

Puro gesso!

Ok pai, sem trocadilhos em sua despedida: Por hoje é só

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Aos 33



Chego aos 3.3 com uma vaga ideia de tempo e espaço..
De certo e errado...
De faltas e presenças...
Mas com uma projeção bem certa: de força e vontade sem limite.

Não concluo nada até o presente momento, ainda sou/estou cheia de vida para concluir qualquer episódio.
Minha vida se tornou um livro, inúmeras páginas, milhares de contextos: e que maravilha.
Estou feliz e ao mesmo tempo triste...uma boa mistura diga-se de passagem. Sem a tristeza, não nos concluímos, não nos testamos - Não nos permitimos.

E quanto ainda temos pela frente?

Sem previsões, apenas e unicamente realizações.

Estou viva e com a certeza de que existe muito chão para percorrer.
Não traço rotas, apenas as percorro. Para mim é assim, uma singela postura inclinada ao acaso, se é que me entende. Duvidar, crer..seja o que for, estou presente e de frente.

Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que se expresse sua opinião...
Difícil é expressar por gestos e atitudes, o que realmente queremos dizer.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias...
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus próprios erros.

Fácil é fazer companhia a alguém, dizer o que ela deseja ouvir...
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer a verdade quando for preciso.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre a
mesma...
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado...
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece.

Fácil é viver sem ter que se preocupar com o amanhã...
Difícil é questionar e tentar melhorar suas atitudes impulsivas e as vezes impetuosas, a cada dia que passa.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar...
Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar...
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.

Fácil é ditar regras e,
Difícil é segui-las...

Carlos Drummond de Andrade