domingo, 24 de outubro de 2010

FEELING

Ir e vir precisa se tornar mais que uma vontade, de fato um dever que nos comprometemos a executar.

Com todos, mas primeiramente por você. Estabeleça um limite, pode ser um imediato desvio no caminho racional que lhe faz permanecer voluntariamente correto.
A simples expressão de perplexidade que nos cobramos, caras e bocas, trejeitos.

Existe um ditado que diz: Cada coisa a seu tempo. Pense um pouco e diga se você está esperando sua vida ter uma certa razão. Um breve questionamento que faz toda a diferença.
Sentir-se bem, uma indiscutível dose de estar.

Adquirir liberdade implica diretamente em possuirmos originalidade?
Nem sempre...
Existem aqueles que vivem em seu mundo próprio, cheio de gente, mas que involuntariamente continuam sozinhos e sem ao menos expressar a verdadeira vontade de ver-se intenso. Porém, essa é uma decisão muito particular dentro de um contexto repleto de desculpas convenientes ou silenciosamente inconstantes.
Será mesmo que precisamos viver assim?

Pagamos um preço alto demais por sermos loucos.
Dar de cara com a chuva pode mesmo aliviar a tensão, impactamos o espírito.
Sentimos o gosto amargo ou o doce sabor da dúvida, eis aqui uma dívida que devemos quitar.
Amar o estranho por mais infinito que seja é uma boa alternativa diante de tudo que ainda podemos e desejamos.

Se para cada passo dado você contar os segundos, estará ao final dos tempos somando todas as oportunidades não realizadas, as aspirações adormecidas, verá as sensações se transformando em meros "porques" pausados diante de imagens projetadas e não concluídas. Contar a vida requer uma demasiada pitada de sensações, essas; captadas através de devaneios de felicidade...e esta, antes que tardiamente...
Um sorriso ainda causa mais impacto do que racionalizar um abraço.

Sentir-se bem é mesmo uma questão completa de percepção, mais e mais.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Liberdade


Vivemos em uma prisão sem muros.
Essa tal expressiva frase que quase sempre nos cria um impacto sobre a realidade que nos colocamos.
Qual parte disso é pura verdade?, um pouco que diariamente tentamos captar ou resgatar.

O incrível na liberdade que tanto prezamos é ela estar conectada ao espírito de empreender.
Todo ser humano que se prese pensou ou certamente pensará em realizar seu pedaço de desejo.
Afinal, realização é mesmo um estado pleno, onde depositamos nossos maiores medos,o que para muitos se torna mesmo uma prisão sem muros. Nem todos conseguem captar a hora de sair do lugar e tentar, uma simples e particular atitude.

O sabor da escolha é um doce presente, ou um amargo sabor, cada um com sua imagem.
Talvez seja o maior mistério de todos, saber onde e como alcançar o sentido de tudo para o qual nos inclinamos tanto.Típicas situações ouso mencionar.
Tão perto e ao mesmo tempo tão distante, assim nos sentimos diante do desconhecido.

Atirar-se impulsivamente, por que não afinal?

Certas respostas só aparecem quando a vida descansa e sai do estado permanente de cuidado.
Julga-se demais, cautelosa e racionalmente.
O bom da liberdade está justamente em desviar-se do caminho traçado pela nossa rotina de segurança. Deixando claro que nem toda liberdade implica em sermos irresponsáveis, é um pouco além permito-me exclamar.

Talvez como agarrar um pedaço do sol, ou um lugar ao sol...
O que não nos falta é ímpeto.

Acreditar é o principal obstáculo. Somos maiores do que imaginamos e isso é fato inquestionável.
Estamos na maioria do tempo adormecidos, em um leve sono que não facilita.
Mas quem disse que a vida tem de ser simples para ser perfeita?
Apenas um padrão, tão somente isso.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Duvidar pra que?

Ninguém precisa carregar o mundo nas costas, não estamos aqui para sofrer...

Se num piscar de olhos pudéssemos mudar o rumo de nossos caminhos, certamente eu não estaria aqui hoje para falar sobre a rotina a que prazerosamente me propus cumprir.
Todos os dias eu levanto, olhos para os lados e tenho o mesmo insite:
Onde quero chegar hoje?

Talvez não saiba ao certo; ou como, mas eu capto boas definições para continuar em frente e permanecer em estado de alerta. O que vale no final ainda é a experiência de tentar ser ao menos impulsiva, ou no mínimo bem reflexiva sobre o pensamento humano em como duvidar mais.

Para ser feliz precisamos sair do estado de conforto e nos confrontarmos mais e sempre.
O que acontece na maioria do tempo é perceber que mesmo captando saídas, ainda desligo meus sensores racionais e permaneço neste curso tão irregular, mas abusrdamente arrebatador.
Devo disistir?..talvez colocar-me no lugar ou estacionar do lado de fora desta órbita, assim me sinto quando penso na loucura que as pessoas fazem em nome do idealismo.
Elas se perdem em seus próprios propósitos, dúbio isso, não?

Colocamos nossas prioridades de lado em razão pela qual não sabemos, ou até sabemos, mas não compreendemos que quando ela se faz ausente somos parte de um todo que mal se justifica, apenas declina-se por não saber seguir adiante com suas escolhas pessoais. As pessoas esquecem de quão epslendoroza a vida se torna quando resgatamos nosso senso de liberdade.
A liberdade é mesmo uma opção e não apenas uma direção que tomamos quando não temos mais por onde seguir.

Não há mais duvidas: Existem aqueles que vieram ao mundo para carrega-lo nas costas, essa pessoa certamente não sou eu.
Estou mais para ser do que querer, entende?

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

O absoluto sentido


Nem sempre possuímos a certeza do que queremos da vida, mas uma coisa é verdade: Tentamos demais provar que podemos compreender sem ao menos nos esforçarmos para isso.
Questionamos as pessoas e as colocamos na parede com um apenas; e ai?

Talvez dentro deste contexto ilusório de achismos, nós permanecemos anestesiados e sem ar tentando encontrar qualquer solução imediata para esta aflição que toma conta de nossas ações e medidas desesperadas - o impulso.

Uma coisa é certa: Quanto mais invertido é o sentido de nossa vida, mais horas precisaremos para voltarmos ao centro - o pulso que tanto pulsa. Para mim , para você e para todos.

Mas, quem será que consegue domar todas as direções a que somos impulsionados?, fatalmente ninguém. E se de repente o coração parar por poucos segundos, conseguiremos então notar que esse suspiro de realidade, então nos faz voltar onde nossa vontade permanece intácta.

Para tudo isso, minha vontade que reluta em acertar, fico sentada infindando questões que não se resolvem - o erro que nos paralisa. Por isso anestesiar-se ainda é uma saída que faz o coração continuar em frente.

Mas uma coisa podemos concordar:

Algo está certo,
decerto estava errado
o que houve foi um equívoco
na hipótese traçada, no fundo

Todo mundo quer acertar
mas, a vida não é linha reta,
é preciso estar de cabeça ereta,
admitir e com os próprios erros aprender

Às vezes falta um pouco de humildade
e o orgulho, pode bater mais forte
contudo, é talvez nas tentativas e erros
que se projeto no futuro, o acerto...