segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

A Fé que move montanhas


Primeiramente deixe-me esclarecer:
" Fé é uma firme convicção de que algo seja verdade sem nenhuma prova de que este algo seja verdade, pela absoluta confiança que depositamos neste algo ou alguém. A palavra Fé veio da palavra grega pí·stis, que transmite a idéia de confiança, fidúcia, firme persuasão.
A fé se manifesta de várias maneiras e pode estar vinculada a questões emocionais e a motivos nobres ou estritamente pessoais. Pode estar direcionada a alguma razão específica ou mesmo existir sem razão definida. Também não carece absolutamente de qualquer tipo de evidência física
racional.
É possível nutrir um sentimento de fé em relação a um pessoa, um objeto
inanimado,uma ideologia, um pensamento filosófico, um sistema qualquer, um conjunto de regras, uma crença popular, uma base de propostas ou dogmas de uma determinada religião

A fé não é baseada em evidências físicas reconhecidas pela
comunidade científica. É, geralmente,associada a experiências pessoais e pode ser compartilhada com outros através de relatos. Nesse sentido, é geralmente associada ao contexto religioso."
(trecho do artigo - wikipédia)

Sejamos honestos, assim começo meu artigo.
Até onde o homem é capaz de ir para extirpar esperanças, criar modelos e unificar crenças?
A fé se relaciona de maneira unilateral com os verbos acreditar, confiar ou apostar, isto é, se alguem tem fé em algo, então acredita ,confia e aposta nisso, mas se uma pessoa acredita ,confia e aposta em algo, não significa, necessariamente, que tenha fé. Pode-se considerar que ter fé é nutrir um sentimento de afeição, ou até mesmo amor, pelo que acredita,confia e aposta.

Ela não é apenas algo que nos alimenta, mas nos faz crer que (sejam elas quais forem), podemos tornar nossos desejos e anceios realidade.
O indivíduo homem, beirando sua existência, torna-se capaz de inúmeras atitudes em prol de seu fruto benefício.
Deixando claro que a existência não é algo questionável, apenas exponho aqui que o homem possui livre arbítrio, este inclui: Escolher e definir sua crença, fazer parte de algo, acreditar ou não, viver para algo, ler sobre, questionar seu poder interior e até mesmo, duvidar até sua própria morte.

A fé, apenas para isso e por isso.

Neste ponto faço uma pequena pausa para que você inicie uma certa inspiraração e entre de fato neste artigo, pois começo a falar de relações humanas.
Deixando bem claro que a ninguém compete o direito de julgar.

Para nós atualmente a fé perdeu o seu significado. Hoje em dia a palavra fé significa uma crença vaga e pouco clara numa coisa qualquer, Fé não é só ter esperança, acreditar ou de alguma forma esperar que algo aconteça, mas fé é saber, é ter certeza absoluta!.

Maledicência: é o ato de falar mal das pessoas. Definição bem amena para um dos maiores flagelos da Humanidade. Lembrando que: para fazer ou falar o mal...as palavras se escondem atrás de reais intenções.
Não há agrupamento humano livre da maledicência. Está presente mesmo onde jamais deveria haver lugar para ela: em instituições inspiradas em ideais religiosos de serviço no campo do Bem.
A maledicência tem sua origem, sem dúvida, no atraso moral da criatura humana. Intelectualmente, a Humanidade atingiu culminâncias. Chegamos à Lua, desintegramos o átomo. Moralmente, entretanto, somos subdesenvolvidos, quase tão agressivos e inconseqüentes como os habitantes das cavernas, e, se o verniz de civilidade nos impede de usar a clava, usamos a língua, atendendo a propósitos de auto-afirmação, revide, justificação ou pelo simples prazer de atirar pedras em vidraças alheias.

O que nos inspira a entrar em um templo e acreditar que o "salvar" depende exclusivamente de terceiros, afinal: para isso você paga não é mesmo?
Quanto vale sua vida, sua alma?, sua crença?
Não meu amigo, você não questiona, apenas compreende dentro de sua própria afirmação divina, que esta promessa ou "salvamento" faz parte de uma cota que você comprou a anos atrás quando aceitou ser vendido.

É importante falar que religião, seja ela qual for,direciona-se apenas para um caminho: encontrar a paz interior, a sua paz interior.

Por isso, preste atenção em seus valores, suas crenças e julgue-se!, permita-se questionar até onde a fé move montanhas e sem querer acaba por derrubar algumas paredes.

Communication, art and talent

Comunication: Field of academic knowledge that studies the processes of human communication.

Do you know how to comunication is so important?
Well my friend, in this world, and in this time...you must know it. Every day we must pass an idea, a thought to someone or to a group. Communication is the answer of the reason. It is that makes us think and says what we really want to tell and how to tell.
It may be only a small idea, but it is a great demonstration of capacity.
The Communication is very important, but remember that you need a good argument to make it real. Always give your best. Find your inner truth, trust your analytical capacity.The truth is never small, and a great lie is
Never big enough to hide what you want to pass to someone.Information is everything.
In today's times we are invaded. Daily we are invaded by products, ads and all kinds of information.
but we have the power of choice, because our indivudual culture tell us what we> want to teach and take from this life.
Communicating is more than a gift, it is an art. So, who you are , it always makes the difference.Difference does not mean a mistake, but it is that each one has a talent for something
different.
Doing something new, something about writing, painting,music...communication is the expression of the soul. Write, paint, compose a beautiful song, dance or just think about doing something positive. Communication is the expression of the soul.In life we have to think about
what we want and can.

A good example is the example we need to fix ... copying. Open a newspaper, read a newspaper, listen to the advertising jingles. A lote of messages, but most of them, copies ... following the recipe of winners. Where are the creators and their different and revolutionary ideas? The difference is still subtle, but it exists within each creative movement ,the true media. It is up to us, the creative and active advertising, always do the right with
our minds, the art of making a difference.
I wouldl like to talk about one person in particular that moved by endless reasons,
knows the real sense of the term Communicate.

His name is Michael Moore, Journalist focused, dynamic and different, well:
a complete communication of distorted facts. Moore, this is his name. He asks for more.
The reasons that makes him different, the world knows: TRUTH. He honors the human being by the human being. What makes him special?
Learn to put the image in the first place .. the words in this case are
coadjuvants. He can and knows how to use the real meaning of the word.
learn more: http://www.michaelmoore.com/

I hope more, I talk more,I am inspired more than ever. Because I know the
power of the word and to where it may take me.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

O Poder da palavra

" Pensamento e expressão são interdependentes, tanto é certo que as palavras são o revestimento das idéias e que, sem elas, é praticamente impossível pensar."
(Trecho colhido do livro: Comunicação em Prosa Moderna - Othon M. Garcia)

Ter o dom da palavra, saber dizer, saber expressar.
A palavra quando dita deve ser interpretada de uma forma clara e contínua a quem queremos atingir.
Inúmeras vezes pensamos o que dizer e para quem dizer da melhor forma possível, afinal, juntamente com as palavras temos que avaliar o conteúdo do que queremos transmitir.
Transmissão não quer apenas dizer pensamento, mas o valor real da palavra que será falada.
As vezes não encontramos palavras, outras elas simplesmente surgem. Surgem em um momento de milagre, em forma da expressão verdadeira.
Muitas vezes a força que encontramos nas palavras podem ser encontradas em um poema, uma frase , uma emocionante letra de música ou até mesmo em um breve instante só.
O uso da palavra define o ser humano.
Quando não dizemos nada para os outros, estamos dizendo coisas para nós próprios. Quando não escutamos alguém, ouvimos dentro de nós a voz interior das esperanças e anseios que habitam nosso universo pessoal.
A fala, assim, é muito mais do que um mero som ou uma seqüência lógica de pensamentos.
O poder da palavra é enorme, portanto, ela salva e condena, ilumina e causa escuridão, faz adoecer, cura e dá esperança. O pensamento correto leva à palavra e à ação corretas, e disso surge a felicidade.
É a unidade básica do pensamento e da fala, e sempre chega ao seu destino. Mas a parte principal do seu efeito se volta para nós próprios. As palavras que dizemos ficam gravadas em nosso inconsciente e se misturam ao nosso destino. Esta é uma lei inevitável, e por isso nossa vida é, de fato, resultado do nosso pensamento.

O Dhammapada, uma das escrituras do budismo, ensina:
“Tudo o que somos hoje é resultado do que temos pensado. O que pensamos hoje é o que seremos amanhã: nossa vida é uma criação da nossa mente. Se um homem fala ou age com uma mente impura, o sofrimento o acompanha como a roda segue a pata do boi que puxa a carreta. Se um homem fala ou age com a mente pura, a felicidade o acompanha como sua sombra inseparável.”

(Trecho do livro Budismo - perfeição)

Naturalmente, quem fala a verdade muitas vezes contraria interesses. A palavra sincera nem sempre encaixa nos esquemas dos poderosos. Aquele que tem coragem de ser íntegro percebe que muitas pessoas preferem desconhecer a verdade. “O pior cego é aquele que não quer ver”, diz um ditado popular.
E, às vezes, os que não querem ver estão em maioria. “Em terra de cegos, quem tem um olho é rei”, diz outro ditado. Mas, na realidade, em terra de cegos, quem tem um olho pode ser duramente perseguido, especialmente quando insiste em falar sobre o que vê.
Enfim, palavras, palavras, palavras.
Fale e viva. Não se esconda atrás de falsos padrões. Mais vale ser feliz e realizado acreditando em seus princípios do que continuar vivendo quieto dentro de um mundo que não lhe pertence apenas por ser cômodo e "correto".
"Minhas obras são meu bem; minhas obras são minha herança; minhas obras são o seio que me leva; minhas obras são a razão a qual pertenço; minhas obras são meu refúgio."
Buda
Boa semana a todos!

domingo, 18 de janeiro de 2009

Bem, estar bem!

Motivação: Processo responsável pela intensidade, direção,e persistência dos esforços de uma pessoa para o alcance de uma determinada meta.
A motivação é baseada em emoções, especificamente, pela busca por experiências emocionais positivas e por evitar as negativas, onde positivo e negativo são definidos pelo estado individual do cérebro, e não por normas sociais.

Esta semana em especial dedico este espaço ao ser humano. Ser, estar bem.
Cuidar e querer o bem.
Nosso corpo é um templo e cabe a nós, os hospedeiros, fazer o melhor sempre.
Cuidar é algo bem relativo, afinal, para alguns bastam apenas viver de luz, outros, apenas de água e para outros enfim....apenas deixar o tempo passar.
Costumava dizer que para viver bem bastavam bons momentos, hoje compreendi que estamos muito mais além - CORPO - MENTE.
Equilíbrio é uma balança que conhecemos quando chegamos a um ponto onde apenas viver não faz mais o sentido real da palavra. É preciso saber viver.

Não se trata de cultuar a imagem, mas sim, viver com saúde e felicidade.Quando iniciei o texto falando sobre motivação, quiz inspirar a seguinte pergunta: O que realmente nos motiva?, o que faz com que percamos o estado de acomodação e nos permita iniciar uma nova etapa da vida?
O simples da resposta: melhorar.
Em nosso dia-a-dia, geralmente corrido e exaustivo, normalmente a preocupação que se tem em primeiro plano - e muitas vezes exclusivamente - é com o trabalho. Ou, mais diretamente falando, com a forma pela qual ganhamos o nosso dinheiro, fundamental para suprir as necessidades básicas de nossas famílias, e para fazer um pé-de-meia para o futuro. E é com esse pensamento correto e responsável que, normalmente, começamos a cometer um grande e grave erro: esquecemos de alguns detalhes fundamentais para o nosso bem estar. É fundamental, portanto, prestar atenção a uma outra necessidade nossa, de que devemos cuidar diariamente: a nossa saúde física e mental. Com a saúde bem cuidada, vamos ter mais energia, força, disposição e clareza de idéias para continuar executando nosso serviço, produzindo mais, com bastante empenho e eficiência. O que vai contribuir ainda mais para termos e mantermos um padrão de vida ainda melhor.Mas o que significa “cuidar de nossa saúde”? A resposta é simples: pratique alguma atividade física regularmente.
É muito simples começar, já que gastar uns quinze minutos por dia, no início, já é o suficiente. Coloque uma roupa leve, um tênis, short e camiseta, ou se estiver frio, um bom agasalho de malha ou lã. Enquanto você se troca, procure ir se concentrando na atividade que você vai fazer, desligando-se das outras coisas. Vá para a rua e dê algumas voltas no quarteirão de sua casa. Enquanto você estiver caminhando, preste atenção à sua respiração; única e exclusivamente à sua respiração.


Quinze minutinhos! Pronto.

Não podemos equecer que : A mente é o espelho da vida em toda a parte.

"Aprendemos que é possível ser feliz simplesmente pelo fato de estarmos vivendo." (Wilheim Schürmann)

Maiores informações:

http://www.mundoverde.com.br/2008/default.asp

http://www.revital.com.br/si/site/0700

http://www.masci.com.br/

http://www.mariosteam.com.br/ Profº Alex Busnello






terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Cultura: Presente!

"Para o senso comum, cultura possui um sentido de erudição. Uma instrução vasta e adquiridapor meio de diversos mecanismos, principalmente o estudo".
Dicionário Aurélio

Em uma visão antropológica, podemos o definir como a rede de significados que dão sentido ao mundo que cerca um indivíduo, ou seja, a sociedade. Essa rede engloba um conjunto de diversos aspectos, como crenças, valores, costumes, leis, moral, línguas, etc. Não podemos dizer que um índio que não tem contato com livros, nem com música clássica, por exemplo, não possui cultura. Onde ficam seus costumes, tradições, sua língua?.
Inúmeras vezes somos surpreendidos pelos eternos jargões: "O povo não tem cultura","o povo não conhece boa musica", "o povo não tem educação". Mas afinal,quem faz parte deste povo, quem são eles afinal?
Alguns brasileiros, acostumados com seu eterno jeitinho, permanecem adormecidos diante de sua própria ignorância e aplaudidos por sua majestosa sinfonia de desafinados.

Educação vem de berço, assim já dizia vovó. E não é que ela realmente tinha razão. Corrigindo, ela tem, minha nôna está mais viva e presente do que nunca no auge de seus 93 sábios anos.

Diariamente assistimos perplexos a programas sem conteúdo, frases distorcidas de uma mídia sem parâmetros, direcionados a um percentual presente na sociedade paulista, brasileira... cujas identidades se perdem em um mar de gente em cartórios brasileiros.
Ninguém nasce e cresce sabendo onde encontrar a cultura, ela acontece quando procuramos saber o que é o saber. Mas morrer sem ao menos conhece-la, torna o indivíduo oco dentro de sua própria fantasia de vida. Afinal, ninguém nasce e permanece fora de um contexto social, seja ele qual for.
O que quero esclarecer é que a cultura se faz presente não somente em programas de textos medidos pela pró-ignorância.
Programas de auditórios, concursos de talentos, musicas e suas frases surreais e filmes dublados ora bolas, mas sim, em livros bem editados, clássicos filmes e seus textos brilhantemente redigidos, músicas e suas doces melodias orquestradas, poetas clássicos e contemporâneos. Sem contar o espírito ilusório, surreal, mas totalmente fundamental da dança.
Talvez prevaleça aqui um pedido de socorro para a alma, pois o espírito se alimenta daquilo que não compreendemos.
As vezes me perguntam por que escrevo, minhas aspirações sobre os temas, minhas intenções...
Mas neste momento me vem um pequeno trecho de um bom livro que ganhei da Claudia, que diz:
"Escrevo para que me escutem - quem? Um ouvido anônimo e amigo perdido na distância do tempo e das idades. Para que me escutem, se morrer agora. E depois, é inútil procurar razões.
Sou feito com estes braços, estas mãos, estes olhos e, assim sendo, todo cheio de vozes que só sabem se exprimir através das vias brancas do papel, só consigo vislumbrar a minha realidade através da informe projeção deste mundo confuso que me habita. E também escrevo porque as vezes me sinto sozinho. Se tudo isso não basta para justificar porque escrevo, o que basta então para justificar por que escrveo, o que basta então para justificar algum coisa na vida? Prefiro minhas pequenas às grandes razões, pois estas últimas quase sempre apenas justificam mistificações insustentáveis frente a um exame mais detalhado".

(Fonte: CARDOSO, Lúcio. Diário Completo.
Rio de Janeiro: Ed. José Olympio, 1970
Livro: Por que escrevo ? - José Domingos de Brito
Mistérios da Criação Literária)

Talvez por isso é que quando me deparo com um bom texto, boa música, bons filmes, boas conversas e principalmente bons temas para a vida, fico lisongeada em saber que faço parte de uma história cultural com bons precedentes.

ANOTEM:
Boas peças de teatro em São Paulo:

A Noite do Meu Bem

Espetáculo inspirado na obra de Nelsom Rodrigues, que propicia reflexões sobre a relação humana, com humor, drama e tragédia.
Direção: Jairo Mattos. Elenco: Paulo Goulart Filho e Dinah Perry Estréia hoje Até 25 de Fevereiro,
Terças e quartas às 21h Espaço Parlapatões Praça Franklin Roosevelt, 158 (Centro) Tel: (11) 3258-4449 Ingressos: R$20,00 e meia-entrada

O Mistério de Irma Vap

Lady Enid é a nova mulher do Lord Edgar e agora tem que se adaptar à vida em uma mansão mal-assombrada pelo fantasma da primeira mulher de seu marido. Descobre que no passado, o filho do casal foi morto por um lobisomen. Edgar se volta contra ela, e para conseguir recuperar seu amor, Enid precisa se desdobrar em atitudes hilárias, além de enfrentar uma governanta muito esquisita.Direção: Marília Pêra. Elenco: Marcelo Médici e Cássio Scapin Até 29 de Março, sextas e sábados, às 21h e domingo às 19h Teatro Shopping Frei Caneca Rua Frei Caneca, 569 (Shopping Frei Caneca) 6° andar (Bela Vista) Tel: (11) 3472-2229 3472-2230 Vendas pelo telefone: (11) 2163-2000 Bilheteria: terça a quinta, no 3° andar, das 13h as 19h; sexta, sábado e domingos no 6° andar das 13h até o inicio dos espetáculos Ingressos: de R$60,00 a R$70,00 120 minutos. Recomendação: 10 anos.

Hamlet

Espetáculo da obra de Shakespeare que conta a tragédia de Hamlet, príncipe dinamarquês. Elenco: Wagner Moura, Tonico Pereira, Caio Junqueira, Carla Ribas, Georgiana Góes, Fabio Lago, Marcelo Flores, Gillray Coutinho, Claudio Mendes e Felipe Koury. Estréia dia 16 de Janeiro (sexta) Sextas e sábados, às 20h e domingos, às 18h Teatro FAAP - Núcleo de Artes Cênicas. Rua Alagoas, 903 (Pacaembú) Tel: (11) (11) 3662-7233 / 3662-7234 Nos dias de espetáculo, durante a semana há estacionamento gratuito com vagas limitadas, e nos finais de semana e feriados, todos os carros estacionam gratuitamente. Não disponibilizas estacionamento para compra de ingressos ou aquisição de informações. Ingressos: R$ 80,00

Cinema

O Curioso Caso De Benjamin Button (The Curious Case Of Benjamin Button, EUA, 2008)

Direção: David Fincher. Com Brad Pitt, Cate Blanchett, Tilda Swinton, Julia Ormond, Elle Fanning, Elias Koteas, Jason Flemyng, Taraji P. Henson e Josh Stewart.Um homem de 50 anos, interpretado por Brad Pitt, começa a rejuvenescer inexplicavelmente. E ao se apaixonar por uma mulher de 30 anos (Cate Blanchett), se encontra em uma situação complicada, não sabe como manterá o relacionamento se ficar cada vez mais jovem, enquanto ela fica mais velha.

A Troca

(Changeling/ The Exchange, Drama, EUA, 2008, 140 min) com Angelina Jolie, John Malkovich, Michael Kelly, Jeffrey Donovan e Jason Butler Harner. Dreção: Clint Eastwood Christine Collin (Angelina Jolie) finalmente recobra, após meses de buscas intensas e com ajuda da polícia, seu filho, seqüestrado em uma manhã de sábado, após ela ter saído para trabalhar. Mas Christine começa a desconfiar que ele não seja seu filho verdadeiro


Café Dos Maestros (Cafe de los Maestros, documentário, EUA / Brasil / Inglaterra / Argentina, 2008, 90 min.).

Direção: Miguel Kohan. 12 anosPor meio de entrevista com músicos e cantores, este documentário faz um painel da era de ouro do tango na Argentina. Espaço Unibanco de Cinema (Sala 3): Filme 10 min. após: 14h30 , 16h20 , 19h10 e às 21h20 (Exibição Digital)Espaço Unibanco de Cinema - Pompéia (Sala 10): EUA / Brasil / Inglaterra / Argentina (Exibição Digital 18h)Unibanco Artplex São Paulo (Sala 8): às 16h (Exibição Digital Dia 10/01 (sábado) também às 24h.)

Ensaio Sobre A Cegueira (Blindness, Brasil/Canadá/Japão, 2008, cor, 116 min.), com Julianne Moore, Mark Ruffalo e Alice Braga.

Direção: Fernando MeirellAdaptação do livro homônimo do escritor português José Saramago, vencedor do Prêmio Nobel, sobre uma estranha epidemia de cegueira que atinge a população de uma grande cidade, fazendo com que as pessoas afetadas sejam isoladas num hospital, onde passam a viver em condições primitivas. HSBC Belas Artes (Sala 5 - Carmen Miranda): às 21h10

sábado, 10 de janeiro de 2009

É Preciso dar as mãos

São Paulo é uma gigantesca metrópole que não dorme nunca, atropelada por sua própia economia galopante e instável aos olhos daqueles que vivem em mercados turbulentos.
Essa semana a história da propaganda teve seu capítulo a parte. Em email recebido, Geraldo Debrito da De Brito Propaganda, informou-nos colegas, uma triste noticia, o fechamento da Colucci Propaganda.

São Paulo, 08.01.2009
"O capital de risco no Brasil é muito mais arriscado do que em qualquer outro lugar. Aqui, a infelicidade nos negócios antes de receber o juízo técnico ganha logo as versões da emoção. É o que está acontecendo com o Oscar Colucci que durante 52 anos (35 com a agência) engrandeceu a propaganda brasileira com trabalho sério, relacionamento honesto com os clientes, trato transparente com os funcionários, lealdade com os veículos e fornecedores.
Hoje, um jornal sindical anuncia um triste episódio –
o fechamento da Colucci Propaganda – e interpreta o infortúnio como se fosse golpe.Há 35 anos que o mercado publicitário conhece o Oscar e sabe que se hoje não paga alguns colaboradores é simplesmente porque não pode; e se as coisas chegaram onde chegaram certamente não tiveram a companhia da má fé.
Ao Oscar, nosso desejo sincero de que reencontre rapidamente o caminho do sucesso apoiado na sua enorme capacidade de se reinventar, pelos amigos e até pelos concorrentes. Por que não? É assim que agem os mercados maduros.Aos funcionários credores, todo o nosso respeito e reconhecimento. Não deixem de olhar no fundo dos olhos do Oscar. Eles dizem a verdade e buscam a solução."


Como publicitária, recebo esta notícia com um certo pesar e descrença na formalidade das palavras e nas ações desmedidas do governo em não poupar os crédulos pela veracidade das notícias e nas fantasias de suas tão criativas imagens.
A propaganda no Brasil é tida como uma das mais brilhantes do mundo. Criatividade engajada, ações surpreendentes, humor liberal, mas acima de tudo, profissionais focados e éticos.
Há décadas onde a televisão, mídias impressas e estações de rádio sequer possuíam um ritmo acelerado entre seus programas e noticiários, a vida era sequer vista, apenas locutada.Não foco apenas em palavras, mas em imagens.

Hoje ao que se percebe, tudo esta literalmente jogado aos ventos...palavras perdidas, imagens distorcidas. Onde estarão os desbravadores corajosos?
Imaginando todo este sábio contexto, a Colucci e seu eterno criador cujo o tempo “não” passa, fica a idéia crédula do retorno do sábio.
É preciso dar as mãos e fortalecer a corrente da sabedoria,esta,que acreditamos estar dentro de cada profissional pensante.

Jaz Aristóteles que dizia " A razão é a racionalidade do ser".

Crédito: De Brito Propaganda / www.debrito.com.br

sábado, 3 de janeiro de 2009

Sem vergonha de ser feliz

2008, ano de promessas descumpridas e risadas soltas ao vento.
Marcado como um ano de reeleições e eleições daqueles que nunca dizem adeus.
Em um ano onde inúmeros brasileiros prosperaram, fica o índice inacabado daqueles que continuam sem saber qual caminho percorrer ou onde se esconder através de seus sonhos incompletos.


O planalto fecha suas portas altas e imponentes para receber a chegada do ano e com isso os políticos que lá presidem, renovam suas tão felizes férias.
Jaz a doce lembrança de um tempo onde o sonho de Oscar Niemeyer e seus lindos traços grossos riscados em um papel dariam origem a uma semente de real esperança nos corações de todos desta nação.
2009 surge como uma nova promessa de renovarmos nossa esperança e permanecermos no aguardo.
Ironicamente me recordo de um bom livro em que estou lendo no momento em que a autora relata suas experiências, “Surjo por através um caminho insolúvel de problemas, onde se quer me recordo qual caminho pretendia seguir através de devaneios mentais daqueles que se propagam a toda hora na minha frente e se quer me deixam respirar”.
A economia acontece, o Brasil respira dentro deste turbilhão que se transformou o mundo diante da “crise”,palavra esta que virou sinônimo de sinal vermelho para tudo dentro de um país ávido por respostas.
E ainda sim continuamos a escutar as risadas daqueles que retornam de suas férias prontos para iniciar um ano com discursos renovados, falas incompletas, humor livre afinal.

Erroneamente e ironicamente a economia permanece otimista. Empregos sendo relatados em uma emissora ávida por saldar suas eternas dívidas, palavras ao vento como sempre digo.
Pois em um país onde a novela da vida acontece diariamente como um novo capítulo a escrever, precisamos ser donos de nossa própria ignorância, assim já dizia Drumonnd.
A esperança não esta em um governo, e sim, em um povo que precisa começar a caminhar pelos próprios pés e a crer que a força surge em paralelo à vontade de querer mudar.

O que eu espero para 2009?
Lógico que pensei na tradicional musiqueta: “Adeus ano velho, feliz ano novo, que tudo se realize no ano que vai nascer. Muito dinheiro no bolso, saúde para dar e vender”.
Porém pela primeira vez em tempos, não pensei em mim naquele momento, apenas agradeci e pensei em todos que amo, pedindo apenas por eles e para eles.
Talvez não tenha pedido nada, por justamente, acreditar em tudo que disse acima.
A vergonha de ser feliz em um país onde as oportunidades se esvaem.
170 milhões de habitantes é muita gente. Pedir para quem, Deus?
Penso naqueles que realmente precisam dele, os que irão nascer.
Pois a nós cabe o livre arbítrio e a eles receberem um mundo cheio de gente.

Acredito na oportunidade que o destino guardou. Palavras, palavras, palavras.
Enquanto eu tiver conhecimento, vontade e educação estarei por aqui.
Feliz ano novo.