sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

O Despertar para uma nova era

Como o último post deste ano, decidi relatar o que o ano de 2008 representou para mim.
Tornei-me uma mulher completa ao casar, descobri quem são meus amigos e redescobri boas amizades, conquistei meu espaço como mulher e acima de tudo compreendi que muitas das coisas que imaginamos ter sob total controle… não importam quando sabemos administrá-las sem um olhar real da situação, basta deixar acontecer que as respostas aparecem.
Publicitária convicta entendi finalmente que as palavras tem sentido quando empregadas em prol de algo realmente relevante aos nossos princípios.
Enxerguei que verdadeiros princípios ainda valem à pena e acima de tudo encontrei em verdadeiros momentos pequenos gestos.

O despertar surge em um período de quietude, onde olhar para dentro é a única forma de difundir respostas.
Este encontro muitas vezes pode ser doloroso, longo, confuso. Mas de nada adiante seguir um caminho sem compreender sua rota, ou melhor, de nada vale chegar ao fim sem antes ter aprendido algo com sua própria experiência.
Despertar significa ressurgir, acreditar e acima de tudo renascer.

Quando relatei que a vida começava mesmo aos 30, hoje, faltando pouco menos de um mês para recebê-los, enxergo este número de forma completa, humorada, sarcástica e extremamente preparada, pois viver até os 29 foi uma emoção e passar para a segunda fase será no mínimo reveladora.
Desta forma agradeço a todos aqueles que direta ou indiretamente fizeram parte desta percepção em minha vida e que continuarão a apoiar e acreditar em meus sonhos e conquistas.
Feliz 2009 a todos,
Obrigada.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

A Impossibilidade do ser

Seres racionais, seres pensantes.
Até onde vai a incapacidade de ser possível?
Nós nascemos e crescemos com alguns propósitos firmados, entre eles, ser sempre capaz.
Lemos inúmeros livros que nos dizem qual melhor caminho traçar, assistimos a palestras, ouvimos frases motivacionais, ditos populares, escutamos mentores.
A impossibilidade é um muro que levantamos através de nossa própria incapacidade como ser humano.

Neste contexto, abro a matéria falando de um mal que não só se faz presente no Brasil, mas também no mundo todo, o desemprego.
No Brasil, é grande a preocupação dos trabalhadores, dos sindicatos, das autoridades e dos estudiosos de problemas sociais, a despeito de não possuirmos dados precisos sobre o desemprego, isto porque, enquanto o IBGE fala em taxa de 12%, a Fundação Seade/Dieese fala em 18% na região metropolitana da Grande São Paulo.
A verdade é que temos, hoje, em qualquer família alguém desempregado. Essa é uma realidade que está muito próxima de cada um de nós.
O governo, através dos Fundos de Amparo ao Trabalhador, tem oferecido recursos para treinamentos e reciclagens aos desempregados.
Essa iniciativa ajuda, pois o trabalhador, sem essa reciclagem não vai conseguir uma recolocação no mercado de trabalho, mas não resolve o problema.


A impossibilidade da mudança caminha junto com a falta de incentivos governamentais anteriores e permanece até hoje como uma barreira social e econômica.
O profissional está enxergando a mutação como uma obrigatoriedade em sua carreira, ou seja, tornar-se possível através de sua capacidade intelectual.
O que quero dizer?
Hoje um publicitário, vê-se na obrigação de realizar outros cursos fora de sua área, um engenheiro realiza trabalhos de consultoria, e assim por diante. A carreira se transformou em um diploma emoldurado na parede de casa e as universidades não param de admitir e formar inaptos para o mercado brasileiro.


Com tudo isso, a necessidade se tornou imediata em diversas áreas, tornando o ser humano, ou profissional, exigente com sua própria visão de carreira.
Não existe um coeficiente respeitável ou uma capacitação para o mercado atual, o mercado dos desempregados.


segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

A R K

Atention, Rescue, knowledge....
Sábias palavras transformadas em uma Arca.
Uma aliança divina? ou apenas um momento de razão celestial?
Noéh, enjoy of god.
Assim se conhece o primeiro parágrafo desta história que hoje se transformou em realidade no mundo todo.


Nascido em 1928, Jean Vanier; deixou a Marinha canadense em 1950 para estudar Filosofia e viver em uma comunidade cristã, perto de Paris. Depois de obter o doutorado, lecionou na Universidade de Toronto (Canadá). Em 1964, começou a comunidade Arca, acolhendo dois adultos deficientes mentais em uma pequena casa de Trosly-Breunil (Oise, França).
Tal comunidade cresceu e, a partir dela, outras foram fundadas em vários países. Durante estes anos, Jean Vanier tem animado encontros sobre a vida comunitária.

"Quando nos sentimos frágeis, não temos nenhuma necessidade de grandes discursos ou ações, mas da presença de alguém que venha até nós para estender-nos uma mão e nos diga: “me sinto feliz de estar aqui contigo”. Assim sabemos que somos amados, não pelo que somos capazes de fazer, mas pelo que somos". Jean Vanier (extraído do livro "Cada pessoa é uma história Sagrada")

Presente a há 21 anos no Brasil e apegados por um sentimento de acolhimento, a ARCA hoje é uma ONG mundialmente movimentada por pessoas que visam ajudar outras com deficiências diversas a desenvolverem e aprimorarem seus talentos e, acima de tudo, defenderem seus direitos diante de injustiças causadas pela sociedade.
O comprometimento e a fomentação por um trabalho comunitário faz da ARCA uma missão de vida a todos que estão presentes.
Atuando diretamente neste belíssimo e sério trabalho, Rui Terenzi Neuenschwandere, Presidente do conselho administrativo no Brasil há três anos e reeleito para mais três, colhe grandes experiências e resultados para a vida.
Oncologista pediátrico por formação hoje se dedica também a ministrar a reintegração social destas inúmeras pessoas que residem dentro da realidade que se transformou a ARCA DO BRASIL.

Em inúmeras atividades às quais a ARCA se dedica, a mais difícil tarefa é a de colher donativos financeiros para que a mesma aprimore diariamente seu trabalho e continue a trilhar seu caminho.
Depois de muito esforço para alcançar títulos e registros necessários junto aos governos, a ARCA está realizando um enorme movimento para a captação de recursos, apresentando projetos que poderão ajudar ainda mais este grandioso e sério trabalho.
Os benefícios são pequenos, desta forma, a ARCA necessita de inúmeros amigos para fazer valer cada dia mais a pena.
Existem maneiras de você fazer parte deste projeto e ajudar a ARCA DO BRASIL a continuar crescendo.

Solicitar Nota Fiscal Paulista
ARCA DO BRASIL
CNPJ:55.577.563./0001-39
R. Manoel Aquilino dos Santos, 163
Jardim Elisa Maria - Fone: 11 3851-3459
02873-520 São Paulo-SP

Depósito bancário
BRADESCO
AG- 133/3
C/C- 057854-1
ITAÚ
AG - 2977
C/C - 07070-1

Em uma entrevista, emocionado, Rui, declara sua trajetória na Arca do Brasil

Sou médico oncologista pediátrico, e trabalho em um serviço público do estado, o que, por si só, me faz pensar que minha cota cotidiana de filantropia já é assim cumprida, ante as agruras das condições de trabalho e sua má remuneração. Mas o que importa é que realmente gosto muito do que faço. E além de ser médico, gosto também de escrever e de cozinhar. E foi cozinhando, num jantar de amigos, há sete anos, que conheci Ione, hoje presidente do Zalca e uma grande amiga, que me pediu que fizesse um jantar como aquele para a Arca do Brasil , visando a arrecadação de fundos, colaboradores, e uma maior visibilidade da instituição.
Envaidecido por alguém acreditar que meu jantar teria todo esse poder, considerei a proposta irrecusável, e coloquei-me à disposição quantas vezes fossem necessárias, com uma condição: Que nunca tivesse que ir à instituição. Condição aceita, jantares se sucederam e anos se passaram.
Hoje, sou o Presidente de Conselho Administrativo. E ante minha resistência inicial ainda me pergunto o que aconteceu para tanta transformação: de uma pessoa certamente preconceituosa e intolerante, inapta para lidar com as limitações de outrem, e bem provavelmente com as próprias, até o líder engajado, afetivo, compromissado. De ateu pouco convicto ao crédulo amoroso, passo a passo fui desenhando uma nova forma de ser e de pensar. Só a religião não explica. O contato com uma pessoa que não fala, ou que talvez não entenda, cuja deficiência parece prendê-la em seu próprio mundo nos faz questionar nossos próprios limites, e rever nossos valores. Acho que foi isso que aconteceu comigo.
Experiências extraordinárias como o dia em que retornei a um dos lares de São Paulo, depois de uma batalha burocrática exaustiva junto ao fórum da Lapa, vitorioso com os dois certificados de curatela nas mãos, através dos quais outras batalhas seriam enfrentadas buscando os benefícios sociais de dois dos nossos acolhidos. Era uma noite fria e acenderam a lareira.
Eu estava cansado, e fiquei ali admirando o fogo, quando, de repente, reparei que Tiago e Anderson tinham se aninhado ao meu lado, enquanto a casa seguia seu ritmo frenético de assistentes preparando o jantar e outros acolhidos correndo de um lado ao outro, ou vendo televisão.
Apenas eu, Thiago e Anderson juntos e quietos, admirando o fogo. Justamente os dois dos quais eu acabara de receber a responsabilidade jurídica da curatela. Um sentimento inexplicável me tomou: de alguma forma eles sabiam. Sim, eles sabiam, e estavam ali, ao meu lado, como que agradecendo, como que comemorando comigo. No silêncio de suas deficiências, eles sabiam.
Meu coração se encheu, como há muito tempo não me sentia tão pleno e feliz. De alguma forma aquilo bastava. Nunca em minha vida havia sentido Deus tão presente.



Rui Terenzi Neuenschwander
Presidente do conselho administrativo Arca do Brasil.
rui.terenzi@uol.com.br
Créditos:
Embarcarte Notícias de El Arca en América Latina

Saiba mais sobre a ARCA DO BRASIL -
http://www.arcaorg.br/

As duas casas da Arca do Brasil estão localizadas nos seguintes endereços:
Casa da Rocha:

Rua Manoel Aquilino dos Santos, 163 – Tel. (11) 3985-3304
Casa Mandacaru:

Rua Manoel Aquilino dos Santos, 1170 – Tel. (11) 3985-3625

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

P A R I S












Paris é um sonho...meu sonho!
Paris são momentos para uma vida toda.
Se existe um local onde a magia e o encantamento acontecem, este lugar é Paris.
A cidade Luz, as ruas e as flores...
Suspirar ao lado de quem se ama.
Conhecer Paris é como relembrar, flutuar.

Originalmente seria apenas uma estrutura temporária, a ser desmontada com o fim da Exposição. Com seus 317 metros de altura, possuía 7300 toneladas quando foi construída, sendo que atualmente deva passar das 10000, já que são abrigados restaurantes, museus, lojas, entre muitas outras estruturas que não possuía na época de sua construção.
Os últimos vinte metros desta magnífica torre correspondem a uma antena de rádio que foi adicionada posteriormente. Recebe o nome de seu projetista, o engenheiro Gustave Eiffel (1832-1923).
A idéia e o projecto da Torre Eiffel para a exposição universal de 1889 são uma forma de celebração dos cem anos da Revolução Francesa (1789).

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Parentes


Esta semana em especial, colocarei aqui outro post sobre o real sentido de parentes...família.


Parente: noun masculine-feminine parente [pɐ'rẽtə] pessoa da mesma família.

A família é um núcleo de convivência, unido por laços afetivos, que costuma compartilhar o mesmo teto. É a definição que conhecemos. Entretanto, esta convivência pode ser feliz ou insuportável, pois seus laços afetivos podem experimentar o encanto do amor e a tristeza do ódio.

E a morada sobre o mesmo teto? Dependendo dessas fases contrastantes, ela pode ser um centro de referência, onde se busca e se vivencia o amor, ou... um mero alojamento.

A família não é algo que nos é dado de uma vez por todas, mas nos é dada como uma semente que necessita de cuidados constantes para crescer e desenvolver-se. Quando casamos, sabemos que, entre outras coisas, temos essa semente que pode germinar e um dia dar fruto: ser uma família de verdade. Devemos, portanto, estar conscientes de que é preciso trabalhá-la e cultivá-la sempre, constantemente, e com muito amor.

Aí vem a pergunta: Quantas famílias possuímos?
Quando adentramos no interior desta ou daquela família, deixando de lado as teorias e descendo ao palco da própria vida, observamos que a família é uma realidade dinâmica, em evolução permanente, nunca a mesma. Percebemos que cada família é um mundo à parte, com propostas e jeitos próprios e que não se repetem.
Você se casa...logo adentra em outro núcleo. Este pode ser fechado, aberto, disposto...
Disposição implica em conhecimento...mudança.
Mudar é bom, você aprende que nem sempre os irmãos de sangue são seus melhores amigos e reconhece em seus irmãos os amigos que jamais deixarão de existir. Cada um em seu espaço, sua história, seu momento.
Respeito mútuo.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Onde mora a felicidade...

Dizem que a felicidade mora ao lado....
Ou como uma breve citação: a grama do vizinho é sempre mais verde que a nossa....
Será apenas um estado de espírito ou total contemplação do ser?
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz bastam apenas alguns momentos de paz, ao lado de quem se ama...
Percebe também que aquele alguém que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente não é o "alguém" da sua vida...isso também serve aos "amigos" ou apenas as pessoas que você acredita conviverem de verdade com você, pois felicidade implica em sinceridade.
Felicidade é assim...surge, acontece.
Com o tempo aprendemos a procurar a felicidade limitando os desejos, em vez de tentar satisfazê-los...
As vezes o que precisamos de verdade é acordar todos os dias apenas ouvindo um pouco de música, ler uma boa poesia, ver um quadro bonito e, se possível, dizer algumas palavras sensatas.
Nada justifica a falta da felicidade, ela esta ao lado, basta olharmos de frente e não apenas caminhar vendo a própria sombra.
Nos pequenos gestos, nas pequenas lembranças, nos melhores dias, nos piores....ela nos acompanha onde quer que estejamos.
A vida por sí só é uma felicidade, lembre-se: estar vivo é um estado de graça contínuo. Não adiante regarmos a horta do vizinho e esquecer de semear nossas próprias raízes.
VIVER, AMAR, FALAR.....o resto é pura especulação.